O site da Renascença usa cookies. Ao prosseguir, concorda com o seu uso. Leia mais aqui.

Pedrógão Grande. Mapa interactivo do incêndio que deixou um país a chorar

Pedrógão Grande. Mapa interactivo do incêndio que deixou um país a chorar

18 jun, 2017 - 19:56 • Rui Barros

Portugal nunca tinha visto nada assim. Um enorme incêndio florestal, alimentado por condições meteorológicas extremas, matou pelo menos 63 pessoas e fez 134 feridos em Pedrógão Grande. Mais de metade das vítimas mortais foi apanhada pelas chamas, dentro dos carros, na estrada nacional 236. A região Centro do país ficou pintada de cinzento, numa das maiores tragédias da história do país.
A+ / A-
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Martins
    21 jun, 2017 Dortmund 10:39
    Uma tragedia - Relatos de arrepiar, uma mulher nao quis sair do carro no meio da confusao o homem nao a quis abandonar morreram os dois....Uma familia com 2 filhos de 2 e 4 anos....um Senhor perdeu as 2 filhas uma de 12 outra de 15 e a sua esposa....nem sei o que dizer, nao existe vocabulario para descrever o que sinto....estou chocado e arrepio-me só ao escrever isto...... Enfim....nao quero culpar ninguem, nem levantar falsos destemunhos - Contudo algo tem de ser feito, limpeza de florestas ou coisa do genero ...nao sou nenhum expertize, mas provavelmente poderiamos ter feito alguma coisa para evitar a velocidade de propagacao do fogo...tipo limpeza de mato para tornar a propagacao pelo solo mais dificil, se nao existir materia combustivel fica mais dificil.....contudo sao tudo teorias...... Lamento muito tudo isto.....
  • Marques
    19 jun, 2017 Pombal 07:45
    É uma pena pouca vergonha nao haver equipamento se nao 4 hors depois meus sentimentos as familias
  • maria helena mazurke
    19 jun, 2017 Brasil 01:44
    Recebemos a notícia dos incêndios com muita tristeza. Uma terra tão linda, um povo tão amigo e uma catástrofe tão grande a acontecer. Que Deus conforte os corações dos portugueses e que os responsáveis sejam punidos .
  • Edilson
    18 jun, 2017 Cabo Verde 22:53
    Que situação triste meu Deus. Só de pensar neste horror...quanta dor os familiares estão sentindo, a população em geral. Queridos portugueses envio as minhas mais sentidas condolências. Saibam que o povo caboverdiano também está a sofrer por vós. Deus vos ajude!
  • Sara
    18 jun, 2017 lisboa 21:52
    Respeito por todas as vitimas. A grande culpa deste fogo é algo que já se fala há muito tempo mas o dinheiro fala mais alto, os Eucaliptos, o nosso pais aliado as grandes mudanças de clima não esta preparado para este tipo de arvore, os fogos, são mais dificeis de controlar e propagam-se muito mais depressa, com o calor que estava , e sendo um eucalipto uma arvore bastante inflamavel, e seus terrenos completamente secos, já há muito que se previa um cenario de fogo destas dimensões. Aqui a culpa não é da falta de limpeza é sim, demasiado eucaplipto.Tem que se adaptar uma protecção civil com a realiade existente.Como foi possivel ninguem alertar estas pessoas.Não havia helicópteros?! E, se querem continuar a plantar estas arvores,os seus donos, que tanto ganham com isso, tem que tambem contribuir em adptar melhores normas de segurança. Tantos novos meios de combate em incendio em outros paises, o que falha em portugal?Todos anos sempre a mesma conversa a mesma incompetencia, portugueses que tentam viver a sua vida, lutando todos os dias, pagando impostos, mas nimguem lhes valeu.Até quando, a vida humana,o respeito pela natureza, vai ser prioridade neste pais, mas pronto, srs deputados/governo, vão lá discutir os vossos decretos de leis para uma sala com ar condicionado e com agua fresquinha de borla.