O site da Renascença usa cookies. Ao prosseguir, concorda com o seu uso. Leia mais aqui.
Jerusalém

Fotogaleria. A ira que Trump provocou, de Belém à Turquia

Jerusalém

Fotogaleria. A ira que Trump provocou, de Belém à Turquia

07 dez, 2017 - 14:38

Cisjordânia e Faixa de Gaza viveram violentos confrontos, que fizeram dezenas de feridos. Decisão dos EUA de reconhecer Jerusalém como capital de Israel alimenta tensão no Médio Oriente.
A+ / A-

Mais de 40 pessoas ficaram feridas esta quinta-feira, na sequência da revolta palestiniana contra a decisão do Presidente norte-americano de reconhecer Jerusalém como capital de Israel.

Belém, Ramallah, Jerusalém, Hebron são apenas algumas das cidades onde decorrem confrontos, depois do apelo do Hamas para uma nova Intifada.

Do outro lado, o Exército de Israel recorre a canhões de água e a granadas de gás lacrimogéneo para dispersar os manifestantes.

Na Cisjordânia e na Faixa de Gaza, alguns lançam pedras contra as forças de segurança. Em Hebron e Al-Bireh (Cisjordânia), milhares de manifestantes entoaram “Jerusalem é a capital do Estado da Palestina”.

Uma pessoa foi atingida por tiros e outras 14 por balas de borracha, segundo fontes médicas.

Na Faixa de Gaza, dezenas de manifestantes concentraram-se perto da fronteira com Israel e lançaram pedras contra soldados que se encontravam do outro lado. Dois manifestantes ficaram feridos por tiros, um deles em estado crítico.

O Exército israelita ainda não teceu qualquer comentário aos acontecimentos, mas já reforçou o seu contingente na Cisjordânia.

Em Jerusalém, um grupo de muçulmanos juntou-se em oração no Portão de Damasco. Pedem a paz na região.

Mas não é só nos territórios palestinianos que decorrem protestos. No Paquistão, a população (de maioria muçulmana) saiu à rua para demonstrar o seu desagrado pela decisão de Donald Trump.

Também na Tunísia, centenas de pessoas saíram à rua para protestar contra americanos e israelitas e demonstrar o seu apoio ao povo palestiniano.

Na Turquia, quem saiu à rua envergou bandeiras turcas e da Palestina em apoio do povo palestiniano.

As reacções eram esperadas. Desde o momento em que o Presidente norte-americano anunciou, na terça-feira, que iria reconhecer Jerusalém como capital de Israel que o mundo se inquietou.

Na quarta-feira à tarde, Donald Trump cumpriu a promessa e assinou o documento oficial. Segue-se a mudança da embaixada norte-americana de Telavive para Jerusalém.

Desde terça-feira que se ouvem reacções e alertas a tal decisão. Foi declarada guerra, dizem muitos. E, da parte dos palestinianos, o Hamas apelou uma onda de ira contra os EUA – é aquilo a que se tem assistido esta quinta-feira.

Israel considera Jerusalém a sua eterna e indivisível capital, mas os palestinianos também a reclamam.

Na verdade, Jerusalém é uma das cidades mais antigas do mundo e tida como sagrada para as três principais religiões: judaísmo, cristianismo e islamismo. Mas é entre judeus e palestinianos que o estatuto desta Cidade Santa mais questões tem levantado.

É por isso que nos acordos de paz entre Israel e a Palestina, o último dos quais conseguido pelo antigo Presidente norte-americano Barack Obama, Jerusalém não é atribuída a qualquer dos lados.

Trump, Médio Oriente, Jerusalém. A história de um equilíbrio de forças frágil
Trump, Médio Oriente, Jerusalém. A história de um equilíbrio de forças frágil
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Mario
    08 dez, 2017 Portugal 12:59
    Em pleno século XXI ainda existem tantos ignorantes que sei nenhum conhecimento da realidade histórica de Jerusalém fazem manifestacoes ou comentários dignos de sua estupidez e ignorância....
  • zedonorte
    07 dez, 2017 toronto 22:49
    Jerusalem, relogio profetico de Deus...!!! Quando Deus tirou os hebreus ( filhos de Jaco ) da escravidao no Ejito pelas maos de Moises, deu-lhes a lei... OS DEZ MANDAMENTOS... No MONTE SINAI... e felos entrar na terra de Cana,pelas maos de Jesue em que foi feita a distribuicao de terras comforme as doze tribos ,Deus Disse, nao passeis as vossas fronteiras, porque essa terra ja a dei aos filhos de Ezau (Mossulmanos) de sorte que Jerusalem, faixa de Gaza, Palestina e a Cisjordania sao territorio de Esrael... disse o Senhor, (Siao... lugar do meu repouso...Jerusalem... estrado dos meus pes, se for criado o estado da Palestina nao vai tardar o castigo de Deus ,,,!!! Donald Trump disse a verdade, Jerusalem e a capital de Esrael , e desatou um no que faz 70 anos em 14 de maio de 2018...os outros presidents estao refens dos refugiados...Estamos a entrar na contagem decrescente a caminho do fim...!!!
  • AL
    07 dez, 2017 SINTRA 20:08
    Um idiota decidiu, esperemos que não haja mais idiotas!
  • Renato Bastos
    07 dez, 2017 Ponta Delgada 17:45
    Minie concordo inteiramente
  • Zé Lourenço
    07 dez, 2017 Coimbra 17:33
    Ele é um comerciante de armamento e precisa vender armas. Faz o seu melhor: Cria condições para ser eleito para um lugar em que pode desestabilizar países potenciais clientes. E aí o têm. Não vale a pena pensarmos muito. Não temos ideia dos milhares de milhões que estão em jogo.
  • Joao Sem Paciencia
    07 dez, 2017 Lisboa 17:10
    Este Trampas não merece nem o ar que respira.
  • JChato
    07 dez, 2017 16:39
    Tudo isto e "o que está para vir" (digo eu ...) se deve, apenas a uma razão: FALTA DE LIBERDADE GENUÍNA A NÍVEL GLOBAL! (incluindo Portugal) Um dos princípios básicos da VERDADEIRA LIBERDADE é que "A MINHA LIBERDADE ACABA ONDE COMEÇA A DO OUTRO"! SOU CRISTÃO CONVICTO e, como tal, respeito as opções religiosas de outros! Em tudo na minha vida (política, desporto, etc ...) tenho opções/deias/preferências mas RESPEITO a dos outros! Se for necessário debater ... OK! Mas ... sempre respeitando (mesmo que em desacordo) os outros! Trump "acha" (digo eu ...) que não tem de respeitar nada nem ninguém! Já se sabia disso ... antes de ser "eleito"! E por isso, tomou a decisão que tomou ... "contra tudo e contra todos" ... QUEM SE LIXA? COMO SEMPRE ... O MEXILHÃO!
  • minie
    07 dez, 2017 aveiro 16:22
    Este trump é um Imbecil! E estou a ser meiguinha!