O site da Renascença usa cookies. Ao prosseguir, concorda com o seu uso. Leia mais aqui.
|
A+ / A-

Venezuela contra “ameaças infames" de Trump

12 ago, 2017 - 19:46

O Presidente dos Estados Unidos não excluiu a opção militar no país.
A+ / A-

A Assembleia Constituinte venezuelana manifestou o seu apoio ao Presidente Nicolas Maduro face às "ameaças infames" do seu homólogo norte-americano, Donald Trump, que admitiu uma "possível opção militar" no país sul-americano em crise.

"Rejeitamos as ameaças cobardes, insolentes e infames" de Trump "contra a soberania sagrada da Venezuela", escreveu a presidente da Constituinte, Delcy Rodriguez, na rede social Twitter.

A Assembleia Constituinte, com 545 membros -- todos do partido no poder -, "agirá para acompanhar" o Presidente Maduro "na defesa" do país, adiantou.

A criação desta assembleia, considerada pela oposição como uma tentativa de instaurar uma "ditadura comunista", aumentou a tensão nas relações entre Caracas e Washington.

"Temos numerosas opções para a Venezuela, incluindo uma possível opção militar se necessário", disse Trump na sexta-feira, sem mais pormenores.

As palavras foram qualificadas de "acto de loucura" pelo ministro da Defesa venezuelano, Vladimir Padrino, que advertiu que em caso de agressão "todos estarão na primeira linha para defender os interesses e a soberania da bem-amada Venezuela".

A Venezuela vive a sua pior crise política desde há décadas, com manifestações das quais resultaram 125 mortos e milhares de feridos em quatro meses, mas o Presidente Maduro, cuja saída é exigida pelos manifestantes, tem permanecido surdo face às pressões internacionais.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • vc
    13 ago, 2017 vc 11:03
    Aí está a democracia no seu melhor!... Os policias do Mundo, ameaçam bombardear a Venezuela, tal como fizeram no Iraque. Porquê? - Por que querem tomar conta do petróleo que Chaves NACIONALIZOU! .
  • JP
    13 ago, 2017 Lisboa 09:01
    A coisa resume-se assim. A Venezuela é um país independente e soberano? É Quem tem que resolver os seus problemas intetnos? É o povo venezuelano. A oposição tem todos os venezuelanos do seu lado? Não tem porque se tivesse o Maduro já tinha caído. A oposição tem os militares do seu lado? Não não tem. As perguntas respondem à questão sobre a invasão militar dos gringos para matar os índios da Venezuela. Os caras pálidas ou os casacos azuis não são os donos do mundo e compete aos povos resolver as suas divergências internas. Vejamos a Ucrânia. Os gringos estão a construir uma base militar neste país e dá para perceber a anexação da Crimeia.. Os gringos não podem fazer do mundo uma cotada como fizeram com a colonização de parte da América do Norte. Puseram os nativos do país em guetos a que chamaram reservas e ROUBARAM território ao mexicanos como é o caso do Texas e porquê porque esta zona era rica em petróleo. Mais os gringos estão a dizer que os generais venezuelanos pertencem ao cartel da droga pois bem esta estratagema já foi usado noutros países. Quem não se lembra da invasão do Panamá quando foram lá raptar o presidente do país. O problema não era a droga mas sim as decisões que Ortega queria tomar em relação ao canal do Panamá. Eu não aprecio ditadores nem ditaduras mas também não gosto que me façam passar por parvo. Eu lutei numa guerra de guerrilha durante 4 anos nas matas de Tete e Vale dos Macondes e sei muito bem o que lá vi.
  • joao
    13 ago, 2017 porto 04:58
    a Venezuela tem muito petrolio
  • Liberdade
    13 ago, 2017 Lisboa 02:54
    Vladimir Padrino, que advertiu que em caso de agressão "todos estarão na primeira linha para defender os interesses e a soberania da bem-amada Venezuela". Bem. Eu acho que esse sr. deveria de dizer isso aqueles lá que têm vindo a passar fome. E pedir a eles que contem a verdade do que passam para todo o mundo. será cobardia querer a liberdade, a paz, o viver melhor. Acho que andam a fazer passar uma imagem da Venezuela que não corresponde à realidade. Se isto for mentira, os que vivem lá que passam fome então que os deixem falar abertamente. tantas manifestações. Porquê. Será porque nesse país está tudo bem. Acho que não.
  • Mario
    13 ago, 2017 Portugal 02:30
    Penso que esta declaração do trump e puro abuso de poder nada mais. Como desconhece qualquer procedimento diplomático aplica aquilo que sabe poderio militar. A pergunta e ate quando o resto do mundo continuara a tolerar esta linguagem dos Americanos.
  • Nekas
    12 ago, 2017 Lisboa 23:00
    O Maduro não tem moral para contestar porque não é um democrata ,mas sim um ditador,contra os ditadores é moralmente humanitária a intervenção internacional pela força,mas o melhor que ele tem a fazer enquanto é tempo é desistir,ainda vai acabar numa vala como todos os ditadores e bem merecido,o mundo de hoje não se compadece com gente dessa.
  • couto machado
    12 ago, 2017 porto 22:24
    AS FORÇAS ARMADAS DA VENEZUELA, SE QUISEREM, TÊM CAPACIDADE PARA RESOLVER O GRAVÍSSIMO PROBLEMA QUE ESTÁ A DESTRUIR O PAÍS. NÃO É NECESSÁRIO O ENVOLVIMENTO DE TERCEIROS PARA DERRUBAR O PALHAÇO DO MADURO E SUBSTITUI-LO POR UM GOVERNANTE SÉRIO.
  • Abílio Carvalho
    12 ago, 2017 Vila Nova de Gaia 20:07
    Como é que ainda há pessoas a dar crédito a um incompetente e irresponsável como o Maduro? Está a matar à fome a assassinar e a prender seu povo que só quer a democracia no seu país.
  • Abílio Carvalho
    12 ago, 2017 Vila Nova de Gaia 20:07
    Como é que ainda há pessoas a dar crédito a um incompetente e irresponsável como o Maduro? Está a matar à fome a assassinar e a prender seu povo que só quer a democracia no seu país.