O site da Renascença usa cookies. Ao prosseguir, concorda com o seu uso. Leia mais aqui.
|
A+ / A-

Cova da Moura. Uma das acusadas não estava na esquadra durante alegadas agressões

13 jul, 2017 - 07:33 • Ana Rodrigues

Sub-comissária Ana Hipólito comandava 64ª esquadra de Alfragide e garante que nesse dia não entrou nas instalações da outra esquadra onde as alegadas agressões aconteceram.
A+ / A-

A sub-comissária da PSP Ana Hipólito - incluída na lista de 18 acusados pelo Ministério Público - não fazia parte da esquadra onde ocorreram os alegados maus tratos aos seis jovens da Cova da Moura, nem esteve nas instalações no dia dos acontecimentos.

A informação é avançada à Renascença por fontes policiais.

A sub-comissária, actualmente colocada em Matosinhos, comandava, na altura, a 64ª esquadra de Alfragide, e garante, que nesse dia, não entrou nas instalações da Esquadra de Intervenção e Fiscalização Policial (localizada na mesma rua da 64ª esquadra), onde as alegadas agressões aconteceram.

Em causa estão 18 elementos da PSP, acusados por denúncia caluniosa, injúria, ofensa à integridade física e falsidade de testemunho. O caso remonta a 5 de Fevereiro de 2015 e que envolveu agressões a jovens da Cova da Moura na esquadra de Intervenção e Fiscalização Policial, em Alfragide, concelho da Amadora.

Na altura dos acontecimentos, a PSP relatou que um grupo de cerca de 10 jovens tentou invadir o local, na sequência da detenção de um jovem que atirou uma pedra contra uma carrinha policial, tendo depois os restantes jovens, com idades entre os 23 e 25 anos, tentado invadir a esquadra.

A acusação defende que os elementos da PSP espancaram, ofenderam a integridade física e trataram de forma vexatória, humilhante e degradante as seis vítimas, além de incitarem à discriminação, ao ódio e à violência por causa da raça.


Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Pedro
    15 jul, 2017 Ericeira 03:51
    Adoro o modo como retratam os " jovens" k se dizem agredidos... São de uma total candura. De tal modo k só consigo imaginar os brutos dos policias a entrarem catequese dentro cheios de " ódio patologico" e começarem a agredir " jovens angelicais" freiras padres tudo a dito.. . Os jornalistas qd querem conseguem fazer do Hitler um santo.
  • Luis
    13 jul, 2017 Amadora 21:40
    Ainda hoje também muitos tem pesadelos de corpos de camaradas assassinados no interior desse bairro.
  • milhão
    13 jul, 2017 conraria 21:27
    Meus caros, tenham calma, não se ponham a defender nem uns nem outros, porque mais adiante vocês estão sujeitos a sofrer tanto nas mãos dos policias como dos ditos santinhos civis, porque é tudo gente que não merece confiança e quem vos avisa vosso amigo é. Nas esquadras, os policias nunca maltratam as pessoas, as pessoas é que se atiram às paredes e pelas escadas abaixo; já os ditos civis, que Deus me acuda, que nunca me deixe cair em tal meio, pois o que aqui se passa, É CÓPIA DAQUELES GUETOS AMERICANOS, ou os MORROS no BRASIL, onde uma pessoa de bem não pode entrar. Cá para mim , eles que se matem todos - POLICIAS e essa MALTA, que não dou pela falta deles.
  • Mário Guimarães
    13 jul, 2017 Lisboa 11:58
    Sabemos que a Polícia não reage bem a provocações . Um dia a GNR prendeu-me por engano em Linda-a-Velha e o causador do problema um GNR que estava à civil e com alguns copos não era capaz de dizer que eu não estava relacionado com o assunto. Quando finalmente descobriram porque houve uma manifestação à porta por populares que me defendiam porque assistiram a duas asneiras : a primeira ,o militar embriagado e que teceu ameaças e a segunda porque me viram ser engaiolado sem motivo porque passava na rua nesse momento. Depois acusaram-me de coisas falsas e deixaram-me ir.Portanto estes comportamentos não podem existir .Por outro lado eu próprio descontei para a defesa do Hugo Hernano .Conheço bem que estas etnias ou raças que só causam problemas frequentes e aí não têm defesa . Entendem que temos que suportar a sua maneira de estar e por isso por vezes não conseguem arranjar emprego. A situação depois começa a agudizar-se com a sociedade à sua volta.
  • emanuel
    13 jul, 2017 Santarem 10:43
    Muitos comentários a defender e PSP mas se já tivessem sido insultados por um agente arrogante e mal educado talvez tivessem outra opinião. Acerca da Sra. Sub-Comissária, talvez a acusação seja por omissão por supostamente ter conhecimentos dos factos. Deixem a justiça percorrer o seu caminho que aliás é lento.
  • Cássio Freitas
    13 jul, 2017 Porto 10:30
    Realmente não se faz. Então agridem os pobres dos rapazes que nada fizeram, quando tentaram apenas mostrarem-se solidários com o companheiro de "trabalho", que não atirou nenhuma pedra, mas sim um ramo de flores. Grassa a miopia naquela esquadra! E que não ofenderam verbalmente os polícias e nem fizeram ameaças de morte. Temos de apelar à Catarina Martins para se impor mais na defesa destes inocentes, aumentar o RM e subsídios, para que se integrem melhor na sociedade. E o Costa que faça mais apelos aos Brasileiros que se sintam desconfortáveis no seu país e venham ajudar o nosso, na força "trabalhadora". Afinal somos o país irmão, temos de ajudar este a libertasse dos seus problemas.
  • joao
    13 jul, 2017 Amadora 10:21
    Claro em Alfragide há 2 edifícios da PSP, óbvio q não estava nos 2 (pelo menos ao mesmo tempo). LOL
  • OLP
    13 jul, 2017 Lisboa 09:52
    Observo com curiosidade o que irá sair da pena do juiz que vai julgar o caso!
  • ac
    13 jul, 2017 lx 09:51
    E quando são os os residentes da cova da Moura a agredirem insultarem e alvejarem com armas os polícias pondo em risco as suas vidas??? Já não interessa??? Entra toda a escumalha neste país depois não se admirem
  • J Martinho
    13 jul, 2017 Alfragide 09:41
    Toda a comunicação social centra a atenção no objecto da condenação... mas o que levou até aí é tão ou mais importante! Jornalismo tendencioso que ajuda a que as nossas ruas fiquem cada vez mais inseguras. Espero que os jornalistas sensacionalistas não tenham um dia um grupo de 25 jovens a entrar-lhes pela casa a dentro para os assaltar e violentar... pois tenho a certeza que muitos policias nessa altura terão medo de impor a sua autoridade. Autoridade, em certos casos não se consegue com falinhas mansas. Quem numa situação de adrenalina é capaz de manter sempre a compostura? Só um robot!! Tenho a certeza que alguns desses policias em situação normal não teriam proferido certas palavras ofensivas, mas quando temos 25 delinquentes a invadir uma esquadra qual é polícia que vai dizer "os meninos estão presos! Vocês portaram-se muito mal!" Isto nem nos filmes da Disney!! Cambada de pseudomoralistas... sou contra o racismo e torturas, como qualquer pessoa educada de um país desenvolvido, mas cada coisa tem que ser avaliada dentro do seu contexto. Esperemos pelo apuramento dos factos... mas esta condenação publica aos agentes da autoridade é totalmente desaconselhada!