A+ / A-

Árbitros vão depor no caso dos e-mails do Benfica

13 jan, 2018 - 11:50

Vários árbitros das primeira e segunda categorias (C1 e C2) foram notificados na sexta-feira, no âmbito do processo aberto pelo Conselho de Disciplina (CD) da FPF.
A+ / A-

A Comissão de Instrutores (CI) da Liga Portuguesa de Futebol Profissional (LPFP) notificou vários árbitros para prestarem declarações como testemunhas no inquérito aos emails do Benfica, confirmou este sábado à Lusa fonte do Conselho de Arbitragem (CA).

Questionada pela Lusa, a fonte do CA da Federação Portuguesa de Futebol (FPF) confirmou que vários árbitros das primeira e segunda categorias (C1 e C2) foram notificados na sexta-feira, no âmbito do processo aberto pelo Conselho de Disciplina (CD) da FPF.

"Apesar de terem passado sete meses desde a abertura do inquérito, é positivo que a CI da LPFP vá começar a dar oportunidade aos árbitros de defenderem o seu bom nome", referiu a fonte do CA, recordando que estas audições ocorrem após pedido do presidente do CA, José Fontelas Gomes.

O director de comunicação do FC Porto, Francisco J. Marques, acusou o Benfica de influenciar o setor da arbitragem e apresentou alegadas mensagens de correio eletrónico de responsáveis 'encarnados', nomeadamente de Paulo Gonçalves e Luís Filipe Vieira, presidente.

A Polícia Judiciária já realizou várias diligências no âmbito da sua investigação ao caso dos emails, cujas primeiras mensagens foram reveladas em junho de 2017. Na sequência de buscas às instalações do Benfica, em Outubro último, Paulo Gonçalves foi constituído arguido, por ter estatuto de advogado.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Filipe
    13 jan, 2018 évora 13:38
    Se fosse eu enfiava os emails pela boca dos PJ !