O site da Renascença usa cookies. Ao prosseguir, concorda com o seu uso. Leia mais aqui.

Moscovo nega ter militares na Ucrânia

28 ago, 2014

Conselho de Segurança das Nações Unidas está reunido a discutir a escalada de tensão na região. NATO estima que existam 20 mil militares russos na zona de fronteira.
Moscovo nega ter militares na Ucrânia

A Rússia garante que não há militares russos a operar na Ucrânia e rejeita a denúncia da NATO. O Kremlin diz que o conteúdo das fotografias de satélite divulgadas não corresponde à realidade.

A NATO publicou fotografias a preto e branco, datadas de 21 de Agosto, em que são visíveis colunas de veículos pesados, alegadamente viaturas militares russos que transportam peças de artilharia em estradas rurais, já em território ucraniano. A Aliança Atlântica estima que estejam 20 mil soldados russos na zona de fronteira com a Ucrânia e que mil militares tenham mesmo entrado em território ucraniano.

O Reino Unido já apelou ao fim da colaboração entre Moscovo e os separatistas. David Cameron avisa Vladimir Putin de que a União Europeia não deixará passar incólumes mais actos de desestabilização de um estado soberano.

A Alemanha, através da chanceler Angela Merkel, admitiu que uma cimeira europeia de sábado possa já discutir novas sanções contra a Rússia.

O Conselho de Segurança das Nações Unidas está reunido esta quinta-feira, a pedido da Lituânia, para debater a escalada de tensão na Ucrânia. Na reunião de emergência, a embaixadora norte-americana já veio dizer que Moscovo tem ignorado os sucessivos apelos para retirar da Ucrânia e que tem faltado à verdade quando fala da situação no terreno.

O secretário-geral da ONU, Ban Ki-moon, já disse que a comunidade internacional “não pode aceitar a continuação da violência na Ucrânia”.