O site da Renascença usa cookies. Ao prosseguir, concorda com o seu uso. Leia mais aqui.
|

Mário Figueiredo perdeu a confiança de António Fiúza

27 jun, 2013

Presidente do Gil Vicente lamenta que o grosso das recentes propostas do presidente da Liga de Clubes penalizem os emblemas pequenos e médios do futebol nacional.

Mário Figueiredo deixou de ter a total confiança de António Fiúza. Depois da assembleia geral de clubes desta quinta-feira, que chumbou o fim da Taça da Liga e condicionou às garantias financeiras do Boavista o alargamento da Primeira liga para dezoito equipas.

Fiúza, sublinhe-se, foi um dos apoiantes, desde a primeira hora, do actual do líder do organismo que tutela o futebol profissional em Portugal. Certo é que, em entrevista a Bola Branca, o presidente do emblema de Barcelos considera que as propostas apresentadas por Mário Figueiredo iriam penalizar os pequenos e médios clubes e confessa por isso a sua desilusão.

"Estou bastante desiludido porque entendo que as propostas apresentadas pelo presidente da Liga prejudicam muito os pequenos e médios clubes. Os clubes votaram nele e as propostas que apresentou foram praticamente todas chumbadas e não poderia ser de outra maneira. A maioria dos clubes entendeu que aquelas propostas não beneficiavam o futebol português e, em especial, os pequenos e médios clubes", começa por lamentar.

António Fiúza reconhece que, agora, ponderaria bem uma decisão antes de votar em Mário Figueiredo para a presidência da Liga. "Neste momento, está a perder a minha confiança. Se tivesse que votar em Mário Figueiredo, iria pensar duas vezes", remata.