O site da Renascença usa cookies. Ao prosseguir, concorda com o seu uso. Leia mais aqui.

Paços de Ferreira teme efeitos do "furacão" Xistra

25 set, 2012

O presidente dos pacenses está preocupado com a nomeação do árbitro para o jogo de sexta-feira com o Benfica. Carlos Barbosa pede que a arbitragem não beneficie os encarnados que se queixaram do trabalho de Carlos Xistra na partida de Coimbra.
Paços de Ferreira teme efeitos do "furacão" Xistra

Há apreensão em Paços de Ferreira com os efeitos das declarações dos responsáveis do Benfica, sobre a arbitragem de Carlos Xistra, em Coimbra, com a Académica. O presidente do clube pacense está preocupado com as consequências da contestação do Benfica, porque o próximo jogo da equipa encarnada é sexta-feira, precisamente, em Paços de Ferreira.

"Esta situação preocupa-me", começa por dizer Carlos Barbosa, em declarações a Bola Branca. "Espero um árbitro no seu melhor na sexta-feira, que não se deixe intimidar com os erros do passado. O Paços de Ferreira não espera favores, espera um árbitro que faça um bom trabalho e que se assista a um excelente jogo".

O dirigente amplia as suas preocupações, ao sublinhar que os grandes do futebol português são sempre beneficiados depois de se queixarem dos árbitros: "Há sempre contestação quando as coisas não correm bem e nos jogos a seguir os grandes são sempre beneficiados". Neste sentido, o dirigente espera "que seja nomeado um árbitro bom, internacional e que possa fazer um excelente trabalho". 

Outra crítica de Carlos Barbosa é direccionada para a data e hora do jogo. O Estádio da Mata Real não deve encher, porque, considera o presidente, "o jogo é a uma sexta-feira a uma hora complicada para quem trabalha durante o dia. Não esperamos uma casa cheia", diz Carlos Barbosa.