Volta a Portugal

Délio "trepa" para a vitória na Serra do Larouco e "dá" amarela a Veloso

31 jul, 2015

Ataque determinado do espanhol da W52-Quinta da Lixa dá frutos e potencia mudança de camisola amarela, na chegada ao segundo ponto mais alto de Portugal Continental. Gustavo Veloso conclui o dia em terceiro, "rouba" a liderança da geral a Gaetan Bille e reforça favoritismo para a vitória final.
Délio "trepa" para a vitória na Serra do Larouco e "dá" amarela a Veloso
Délio Fernández (W52-Quinta da Lixa) venceu, ao "sprint", a segunda etapa da Volta a Portugal em bicicleta, esta sexta-feira, impondo-se como o mais forte na chegada à Serra do Larouco, o segundo ponto mais alto de Portugal Continental.

O espanhol da equipa de Sobrado bateu, em cima da meta, num prémio de montanha de primeira categoria, o português José Gonçalves (Caja Rural), concluindo com sucesso uma "escalada" monumental, iniciada no último quilómetro da tirada. 

Délio gastou 5h00m10s para cumprir os exigentes 175,6 quilómetros que ligaram Macedo de Cavaleiros a Montalegre (Serra do Larouco) e, com o esforço que aplicou nesta etapa, motivou Gustavo Veloso a aplicar-se para terminar no terceiro posto e "roubar" a camisola amarela ao belga Gaetan Bille (Verandas-Willems).

Veloso concluiu a jornada a três segundos de Délio, ficando atrás de José Gonçalves, que se mantém de forma determinada na disputa pela vitória final.

Na classificação geral individual, o galego da W52-Quinta da Lixa é o primeiro classificado, com três segundos de vantagem sobre Délio Fernández e seis face a José Gonçalves.

O filme do dia
Tudo o que está para trás não conta, face ao carácter vertiginoso que, paradoxalmente, a subida para o alto da Serra do Larouco registou. A cerca de 12 quilómetros do final, o líder da montanha, Bruno Silva (LA Alumínios-Antarte) foi "absorvido" pelo pelotão, após um bem sucedida fuga de 150 quilómetros.

A partir daí, começou a disputa entre as principais equipas candidatas à vitória. À entrada para os difíceis quatro quilómetros que restavam na tirada, o espanhol Marcos García ainda esboçou uma esforçada tentativa de enfrentar a inclinação de 5,6% da estrada, mas não aguentou o ritmo. Na roda de Garcia, Délio Fernández decidiu dar um impulso e uma motivação ao seu chefe de fila. Pedalou de forma desenfreada, deixou ainda José Gonçalves para trás e cruzou a meta, em alto, a 1527 metros de altitude.

Gustavo Veloso, principal candidato a revalidar a amarela garantida em 2014, foi terceiro e assumiu, com a ajuda do seu fiel escudeiro, a liderança da geral individual.

Sábado, o pelotão enfrenta a terceira etapa da 77ª edição da Volta a Portugal em bicicleta, com uma ligação de 172,2 quilómetros entre Boticas e Fafe. A tirada, de média dificuldade, antecede a mítica subida à Senhora da Graça.


77ª Volta a Portugal em bicicleta
Classificação da 2ª Etapa
1. Delio Fernández (ESP), W52-Quinta da Lixa, 5h00m10s
2. José Gonçalves (POR), Caja Rural, a 1s
3. Gustavo Veloso (ESP), W52-Quinta da Lixa, a 6s
4. Jóni Brandão (POR), Efapel, m. t.
5. Amaro Antunes (POR), LA-Antarte, a 8s
6. Alejandro Marque (ESP), Efapel, m. t.
7. Ricardo Mestre (POR), Team Tavira, a 12s
8. Sérgio Sousa (POR), LA-Antarte, a 13s
9. Hernâni Broco (POR), LA-Antarte, a 14s
10. Ricardo Vilela (POR), Caja Rural, m. t.

77ª Volta a Portugal em bicicleta
Classificação geral
1. Gustavo Veloso (ESP), W52-Quinta da Lixa, 10h17m41s
2. Delio Fernández (ESP), W52-Quinta da Lixa, a 3s
3. José Gonçalves (POR), Caja Rural, a 6s
4. Ricardo Vilela (POR), Caja Rural, a 28s
5. Amaro Antunes (POR), LA-Antarte, a 31s
6. Jóni Brandão (POR), Efapel, m. t.
7. Sérgio Sousa (POR), LA-Antarte, a 32s
8. Hernâni Broco (POR), LA-Antarte, a 34s
9. Ricardo Mestre (POR), Team Tavira, a 35s
10. Alejandro Marque (ESP), Efapel, a 37s