O site da Renascença usa cookies. Ao prosseguir, concorda com o seu uso. Leia mais aqui.

Protestos contra a situação no Brasil chegam a Portugal

18 jun, 2013

Imigrantes brasileiros juntaram-se em Coimbra, no Porto e em Lisboa para juntar a voz a quem contesta no Brasil o aumentos nos preços dos transportes públicos e os custos da organização do Mundial de futebol e dos Jogos Olímpicos.
Protestos contra a situação no Brasil chegam a Portugal
Protestos contra a situação no Brasil chegam a Portugal
Imigrantes brasileiros juntaram-se em Coimbra, no Porto e em Lisboa para juntar a voz a quem contesta no Brasil o aumentos nos preços dos transportes públicos e os custos da organização do Mundial de futebol e dos Jogos Olímpicos.

Milhares de brasileiros em todo o mundo pedem a Dilma Roussef que ouça "os ventos de mudança". Em Lisboa, centenas de imigrantes brasileiros concentraram-se num protesto pacífico na Praça Camões.

Vestidos de verde e amarelo, os manifestantes pedem sobretudo progresso. Muitos são jovens, dizem que querem contribuir para a mudança e reivindicam melhores serviços públicos. Estão contra os aumentos nos preços dos transportes públicos e criticam os custos da organização do Mundial de futebol e dos Jogos Olímpicos, que se vão realizar no Brasil.

Além de Lisboa, centenas de pessoas reuniram-se em Coimbra e no Porto, num protesto convocado pela rede social Facebook.

Outras 26 localidadas espalhadas pelo mundo também vão ser palco de manifestações semelhantes, convocadas para este mês, como Madrid e Barcelona, em Espanha, Bruxelas, na Bélgica, Paris, em França, Frankfurt, na Alemanha, e Nova Iorque, nos Estados Unidos.

No Brasil, os protestos duram há dias. Só na segunda-feira foram mais de 200 mil os brasileiros que encheram as ruas das cidades de São Paulo, Rio de Janeiro e Belo Horizonte. Todos pedem mudança e a presidente do Brasil garante estar atenta às reivindicações do povo brasileiro.

"Meu governo está ouvindo as vozes pela mudança. Quero garantir que vamos conseguir mais para o país e para o povo", disse Dilma Roussef, citada no jornal "Folha de São Paulo".