O site da Renascença usa cookies. Ao prosseguir, concorda com o seu uso. Leia mais aqui.
Opinião de Francisco Sarsfield Cabral
A+ / A-
opinião

O presidente do Eurogrupo

04 dez, 2017 • Francisco Sarsfield Cabral • Opinião de Francisco Sarsfield Cabral


Com a eleição de Mário Centeno, Portugal ganhou alguma influência adicional no debate sobre a reforma do euro.

Veja também:


Centeno não venceu à primeira volta, mas ganhou a presidência do Eurogrupo. Há poucos meses ninguém acreditava que tal acontecesse. Essa descrença tinha muito a ver, primeiro, com o facto de, em democracia, Portugal nunca ter conseguido equilibrar as contas do Estado. Com uma única excepção: 1913, era ministro das Finanças Afonso Costa. A I Guerra Mundial acabaria com esse momentâneo êxito.

Já no euro, Portugal foi o primeiro país a violar as regras orçamentais da moeda única. Teve, depois, de recorrer a um programa de resgate, com a vinda da “troika” e de uma austeridade nem sempre racional. Portugal tem uma das mais altas dívidas públicas do mundo. E só em Junho passado saiu do chamado procedimento por défice excessivo.

Nessa altura, há meio ano, poucos julgariam possível que um ministro das Finanças português pudesse presidir ao Eurogrupo. É que o apoio ao governo socialista de dois partidos de extrema-esquerda nada amigos do euro e da UE iria, pensavam muitos (entre os quais me incluo), levar o país a falhar as metas europeias.

Ora António Costa e Mário Centeno, afinal, cumpriram essas metas. De maneira um tanto ínvia, graças a enormes cativações de despesas públicas e a um fraco investimento do Estado (com tudo o que isso representou de austeridade para os utentes de numerosos serviços públicos), mas cumpriram. Assim, contra as expectativas relativamente recentes, Portugal conquistou a confiança dos investidores na sua dívida pública (vejam-se os juros), bem como a confiança das autoridades comunitárias e dos seus parceiros no euro.

Significa a eleição de Centeno uma mudança de orientação quanto à gestão do euro? Será esperar demais. As objecções alemãs, não deste ou daquele partido da RFA, mas da opinião pública germânica, a formar uma união monetária que seja também económica e também uma união bancária completa, não serão facilmente ultrapassadas. Mas é sempre útil que Portugal tenha ganho alguma influência no debate que se vai seguir (espera-se!) sobre a reforma do euro.

Este conteúdo é feito no âmbito da parceria Renascença/Euranet Plus – Rede Europeia de Rádios. Veja todos os conteúdos Renascença/Euranet Plus


Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • pedro miguel
    04 dez, 2017 23:59
    nao sei se falar em telenovela, em mais do mesmo. Mas as primeiras noticias sobre mario centeno já o davam como certo no lugar. ( á ultima da hora, surgiram dois coitaditos ao lugar ) Mais surpresa, e nem tanta, foi portugal ganhar o festival eurovisao, mas num momento em que era apontado como forte, fortissimo, candidato. Mas quem sou eu para questionar o Francisco. ------ Sou, sim, a solicitar que nao se fique pelo termo bla bla bla reformas, e clarifique o que é isso e para quÊ ? Deixo a pergunta : a reforma é para convencer os outros paises a aderir, ou para retardar a saida dos que estao no euro ?... Afinal, anos volvidos, continuamos sem ver em bicos de pe os que estao fora do euro. E por falar nisso, os ultimos paises que entraram no clube da uniao europeia, tiveram escolha ...Se calhar estao todos no euro, o que é uma tremenda coincidencia .
  • Filipe
    04 dez, 2017 Lisboa 22:34
    É inacreditável ler Sarsfield Cabral hoje, quando foi um dos principais opositores a Centeno e às políticas seguidas pelo governo de Costa. Todos estes ensaios conduzidos por Sarsfield Cabral ou por Graça Franco é pura hipocrisia.