O site da Renascença usa cookies. Ao prosseguir, concorda com o seu uso. Leia mais aqui.
Opinião de Francisco Sarsfield Cabral
A+ / A-

Defesa europeia

15 nov, 2017 • Opinião de Francisco Sarsfield Cabral


Putin e Trump levam países europeus a tratarem da sua defesa.

A agressividade da Rússia de Putin (Leste da Ucrânia, Crimeia, receio nos países bálticos da UE) e, porventura ainda mais, o desinteresse de Trump quanto à NATO (que classificou de “obsoleta”), levaram vários países europeus a concluírem que têm de fazer mais pela sua própria defesa e segurança.

Acabou o tempo em que a protecção americana permitiu aos Estados membros da UE gastarem cada vez menos na sua defesa.

Por isso, 23 países aprovaram uma “cooperação estruturada permanente” (possibilidade, prevista nos tratados, de países avançarem em conjunto, enquanto outros ficam de fora) na área da defesa.

Não se trata de criar um exército europeu, ao contrário do que erradamente se disse. Mas de reforçar a cooperação militar, que na Europa comunitária é mínima, nomeadamente na indústria de defesa.

Como ontem escreveu Teresa de Sousa no ‘Público’, “a União tem uma capacidade militar que, somada, é pouco inferior à dos EUA, mas que está a uma enorme distância do poder militar americano, graças precisamente à incapacidade para agir em conjunto. Tem um longo caminho a percorrer, nomeadamente em matéria de compatibilidade entre os respectivos exércitos, que hoje praticamente não existe.”

Portugal vai juntar-se aos 23 em breve. O Governo já anunciou o seu apoio a esta cooperação. O atraso tem apenas a ver com a necessidade de consultar o Parlamento.

Mas no debate político português este é um assunto quase ausente. Depois queixam-se de que as medidas tomadas no quadro da UE são decididas quase em segredo nas instâncias comunitárias. O que só contribui para o alheamento dos cidadãos em relação à UE.

O Governo tinha a obrigação de promover um debate público sobre a defesa europeia e a participação de Portugal, por muito que os temas europeus desagradem aos seus apoiantes parlamentares, PCP e BE. Não é um assunto menor.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Jorge Costa
    16 nov, 2017 VNGaia 21:42
    Mais vale tarde do que nunca. Há muito que a UE deveria ter uma política de defesa comum, passando por definição agregada de necessidades, aquisição integrada (de modo a obter economias de escala e garantir a interoperabilidade) e alocação dos equipamentos, aos diferentes locais/países, em função dos objetivos/necessidades de cada momento.
  • Vasco
    15 nov, 2017 Santarém 23:32
    O caso da Crimeia consideram alguns que foi como uma resposta ao estrondoso erro europeu no caso Kosovo, verdade ou mentira as asneiras sucedem-se dos dois lados e pelos vistos a corrida ao armamento não pára enquanto a grande ameaça climática e outras como na saúde também não param de ameaçar a humanidade que possivelmente por este caminhar não vai ter muitos séculos à sua frente mas continua-se a olhar para o lado como se tudo vá pelo melhor.