O site da Renascença usa cookies. Ao prosseguir, concorda com o seu uso. Leia mais aqui.
O Mundo em Três Dimensões
Números que contam histórias. De segunda a sexta às 05h40, 14h30 e 21h10 com reposição ao fim-de-semana.
A+ / A-
Arquivo
O Mundo em Três Dimensões - Os mais ricos do mundo - 07/11/2017
O Mundo em Três Dimensões - Os mais ricos do mundo - 07/11/2017
O Mundo em Três Dimensões

Os 1.500 empresários mais ricos do mundo têm 30 vezes o PIB português

07 nov, 2017 • André Rodrigues , Paulo Teixeira (sonorização)


Os dados referem-se a 2016 e são revelados pelo banco suíço UBS. Estamos a falar de uma soma de fortunas que supera os cinco triliões de euros. Mais 17% do que em 2015. E a maioria são chineses e indianos.

A soma dos 1.500 empresários mais ricos do mundo, ultrapassa cerca de 30 vezes o Produto Interno Bruto português em 2016.

É o que revela um estudo do banco suiço UBS, citado pelo jornal britânico The Guardian, e que conclui que a riqueza global está hoje tão concentrada como estava no início do século XX.

Aliás, o jornal recorre à memória dos tempos em que Cornelius Vanderbilt, Andrew Carnegie ou JP Morgan possuíam quase toda a riqueza que existia nos tempos da chamada Era Dourada nos Estados Unidos.

Contudo três em cada quatro dos super-ricos actualmente existentes são asiáticos.

Sobretudo, chineses e indianos.

De resto, a Ásia lidera em número de detentores de grandes riquezas. São mais de 600 e superam os quase 600 dos Estados Unidos. O interessante no meio de tudo isto é que no início do século XX os super ricos eram os americanos e os asiáticos estavam entre os mais pobres.

A tendência inverteu-se e o sucesso dos empresários chineses parece explicar esta nova distribuição da riqueza mundial.


Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.