O site da Renascença usa cookies. Ao prosseguir, concorda com o seu uso. Leia mais aqui.
Opinião de José Luís Nunes Martins
A+ / A-

​Tem paciência contigo!

03 nov, 2017 • Opinião de José Luís Nunes Martins


Cada um de nós deve analisar-se, de forma delicada e bondosa. Compreendendo que a existência não é composta apenas de bons momentos, e que a alegria e a paz dependem muito mais do nosso coração do que dos contextos em que vivemos.

Por mais informação que se tenha, isso não significa que se construa conhecimento, da mesma forma que muitos conhecimentos não constituem sabedoria.

A sabedoria é a ponderação e o discernimento de saber o que fazer, e o que evitar, em que tempo e de que modo. Adquire-se através de uma reflexão profunda e demorada sobre a existência, onde se vai conseguindo identificar o essencial por detrás das aparências.

Quanto mais sábios nos tornamos de menos coisas vamos precisando. Uma renúncia ao superficial com que tantas vezes tentamos preencher os vazios que sentimos em nós mesmos.

Há silêncios bons, aqueles em que com paciência esperamos as respostas; e os outros, ainda melhores, em que as encontramos...

Trabalhar mais não significa alcançar melhores resultados, mas fazê-lo bem, isso sim, aumenta a qualidade dos frutos.

A vida vacila, em constante desequilíbrio, em todos quantos se julgam apenas no direito de exigir, mas ergue-se e eleva-se naqueles que reconhecem as suas obrigações para consigo mesmos e para com o outro, sem condições. Admirando e agradecendo esta liberdade e esta responsabilidade.

Cada um de nós deve analisar-se, de forma delicada e bondosa. Compreendendo que a existência não é composta apenas de bons momentos, e que a alegria e a paz dependem muito mais do nosso coração do que dos contextos em que vivemos.

Mais do que saber fazer, importa que nos empenhemos em saber ser e viver. De forma calma e gradual.

Há uma melodia em cada dia. A vida é uma grandiosa sinfonia que devemos ir escrevendo, tocando e aperfeiçoando. Não importa tanto como começa, mas se nos está (ou não) a levar para onde queremos ir.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Manuela
    06 nov, 2017 lx 11:14
    Valeu a pena ler este texto! não há uma frase dele, para pôr em destaque, estão todas em destaque! gostei imenso do que li. Obrigada.
  • Maria Isabel
    04 nov, 2017 Oeiras 13:52
    É dificil olharmos para nós com paciência quando vemos que não somos como desejávamos e a nossa vida e a dos que dependem de nós podia ser tão diferente, tão melhor se também nós o fossemos...e sentir que é preciso mudar mas não se sabe bem o quê ou como começar... Tenho de ter mesmo muita paciência e carinho para comigo mesma...
  • maria saraiva
    04 nov, 2017 alverca 09:37
    De uma sensibilidade extrema...leva nos a a um mundo rico de empatia e assertividade.bem haja abençoadas maos