Nota de Abertura
A+ / A-

Violência e indiferença

03 nov, 2017 • Opinião de Nota de Abertura


Queremos saber se podemos acreditar no Estado, a quem confiamos a segurança nas ruas, a educação nas escolas, as queixas nas esquadras de Polícia

O sentimento de impunidade só podia ser total. De que outra forma se pode entender a agressão a que todos pudemos assistir, à porta de uma conhecida discoteca de Lisboa?

Perante dezenas de jovens, sentados e em movimento, perante telemóveis prontos a filmar e a relatar o que se estava a passar, tudo se passou, numa demonstração de violência gratuita a que ninguém pode ficar indiferente.

E aqui reside um aspecto que não pode ser ignorado. A indiferença generalizada, perante a violência física ou verbal, marca demasiadas vezes, o tempo que estamos a viver. Seja um jovem espancado à porta de uma discoteca, seja uma vizinha que grita por socorro, seja um idoso que se arrasta pela rua. Precisamos de estar atentos ao que se vai passar, não hoje e amanhã, mas daqui a muitos meses, naquela discoteca em concreto.

Mais uma vez, queremos saber se podemos acreditar no Estado, a quem confiamos a segurança nas ruas, a educação nas escolas, as queixas nas esquadras de Polícia... Mas precisamos igualmente de estar atentos ao que se passa todos os dias à nossa volta. Porque todos intuímos que a capacidade de nos indignarmos e de sermos consequentes é fundamental em qualquer sociedade, é decisiva na passagem das gerações a quem entregamos o futuro.

E aqui reside um ponto decisivo: tudo começa na Família e muito se consolida na Escola. Sem valores vividos e partilhados, sem Educação coerente e exigente, acabamos a ver jovens agredidos a pontapé e outros, assustados, a assistir.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • João Lopes
    05 nov, 2017 Viseu 10:39
    “Mais uma vez, queremos saber se podemos acreditar no Estado”. Como poderemos acreditar e confiar no Estado Português se ele promove, defende e, paga com o dinheiro do contribuinte, o aborto que mais não é do que exterminar silenciosamente na barriga de suas mães, pequenos seres humanos, indefesos e inocentes