O site da Renascença usa cookies. Ao prosseguir, concorda com o seu uso. Leia mais aqui.
Em Nome da Lei
O direito e as nossas vidas em debate. Sábado às 12h, com repetição domingo às 0h
A+ / A-
Arquivo
Em Nome da Lei - Pedrógão Grande, três meses depois da tragédia - 16/09/2017
Em Nome da Lei - Pedrógão Grande, três meses depois da tragédia - 16/09/2017

Pedrogão Grande. O que já foi feito para recuperar da tragédia?

16 set, 2017


No regresso das férias, o "Em Nome da Lei" desta semana olha para o que já foi feito, três meses após a tragédia de Pedrógão Grande.

São convidados do programa "Em Nome da Lei" Rui Fiolhais, presidente do Instituto da Segurança Social, Dina Duarte, uma das habitantes da aldeia de Nodeirinho, aldeia onde viviam 11 das 64 vítimas mortais da tragédia.

Marcam presença igualmente Mariana Figueiredo, chefe da equipa da Caritas de Coimbra que está no terreno a executar os projectos em curso, e Duarte Caldeira, presidente do Centro de Estudos e Intervenção em Protecção Civil.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Filipe
    18 set, 2017 évora 02:04
    Só ainda não percebi porque querem agora transformar o Estado em Companhia de Seguros com pagamentos a 100% . Pois as pessoas que tem seguros de imobiliário quer paredes e recheio nas companhias de seguro , aquando das tragédias , nem 100% pagam , existem FRANQUIAS a cargo do segurado e no pagamento de bens pagam conforme o valor do bem desvalorizado . Eu vejo na TV a obrigarem quase o Estado pagar bens que estavam no ferro velho e sucatas por preços de novos de hoje , não está correto . Resta saber se futuramente todas as pessoas desistem de pagar seguros obrigatórios para quem tem apartamentos e moradias sendo facultativo e sempre que existe algo , pede-se por IBAN ajuda e afisn , tendo tudo pago 100 % .