O site da Renascença usa cookies. Ao prosseguir, concorda com o seu uso. Leia mais aqui.
Opinião de José Luís Nunes Martins
A+ / A-

​Nem todo o movimento é um passo em frente

08 set, 2017 • Opinião de José Luís Nunes Martins


Há luzes e trevas, mas, muitas vezes, as sombras são sinais de grandes luzes por detrás dos obstáculos que importa vencer.

Andamos de um lado para o outro, muitas vezes às voltas, sem chegar a lado nenhum. Outras vezes, a linha é reta mas o rumo é errado!

Outros vão no rumo certo, mas perdendo-se em mil desvios, acabam por nunca lá chegar.

Depois há quem goste de andar para trás, sempre na convicção de que os demais é que estão a regredir!

Antes do primeiro passo, importa perceber a vontade que nos anima, o que está à nossa volta e escutar bem o que dizem os que nos respeitam e merecem ser escutados, aqueles que, na maior parte dos casos, se expressam por poucas e boas palavras. Preocupam-se com o bem e com o nosso bem, mas não nos propõem o caminho sem que antes o peçamos.

Nem toda a presença significa respeito, nem todo o silêncio é bom e nem toda a palavra procura o entendimento.

Os caminhos da vida não se repetem. Ninguém dá duas vezes o mesmo e exato passo. Cada momento é apenas um degrau para o seguinte, onde não se pode descansar. Há luzes e trevas, mas, muitas vezes, as sombras são sinais de grandes luzes por detrás dos obstáculos que importa vencer.

O caminho que vira as costas à luz é o dos que querem ser felizes, mas não estão dispostos a ir por onde tem de ser. É um caminho cheio de gente.

O bom caminho é o da luz. Por entre as sombras. Nenhum passo é em vão, ainda que seja possível que nada se conquiste, senão a dignidade de honrar a nossa vida e o seu sentido!

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • CF
    08 set, 2017 Beja 22:06
    Confluir será o bom movimento ou desarticular levar-lhe-á a dianteira? Destruir obriga a reconstruir, mas sem ânimo tudo cessa.