O site da Renascença usa cookies. Ao prosseguir, concorda com o seu uso. Leia mais aqui.
Opinião de Francisco Sarsfield Cabral
A+ / A-

“Brexit” a passo de caracol

01 set, 2017 • Opinião de Francisco Sarsfield Cabral


As negociações do “brexit” avançam lentamente. Já se esperava.

A terceira ronda de negociações entre a UE e o Reino Unido, por causa do “brexit”, não adiantou grande coisa. Os negociadores britânicos queixam-se de que Michel Barnier, o negociador da UE, é demasiado rígido e pedem-lhe flexibilidade e imaginação; por sua vez Barnier lamenta a “ambiguidade britânica” e a falta de propostas concretas de Londres.

“Primeiro, precisamos de conhecer a posição deles e depois poderemos ser flexíveis”, afirma Barnier.

A rigidez da UE decorre de pelo menos dois factores. Barnier tem um mandato para negociar, aprovado pelos 28 países que se mantêm na União; não será fácil que esses 28 Estados se ponham de acordo quanto a eventuais mudanças.

Por outro lado, a UE não pode oferecer ao Reino Unido facilidades que tornem atractiva para outros Estados-membros uma futura saída da UE.

Do lado dos britânicos, a falta de propostas concretas tem a ver com dois factos. O imprevisto (até pelos defensores da saída) ‘SIM’ ao “brexit” revelou que nada estava preparado para tal situação. E a convocação de eleições gerais pela primeira-ministra, Theresa May, na esperança de reforçar a maioria conservadora na Câmara dos Comuns, resultou em… minoria.

T. May saiu enfraquecida, claro, e dentro do partido conservador e no seu próprio governo multiplicam-se as divisões sobre o que deve ser a negociação em curso. Até no partido trabalhista houve mudança de posições – agora defende que o Reino Unido, fora da UE, deve manter-se no mercado único. Por isso, são escassas as propostas concretas do lado britânico.

E já houve alguns recuos do Reino Unido, depois de os partidários da saída da UE terem feito afirmações mirabolantes.

Por exemplo, o ministro dos Negócios Estrangeiros, Boris Johnson, disse há tempos que o Reino Unido nada iria pagar (há compromissos britânicos pelo menos até 2021); esta semana já afirmou que o seu país iria cumprir os compromissos financeiros assumidos.

Outra ilusão entretanto desfeita era que o Reino Unido se livraria, a curto prazo, da jurisdição do Tribunal Europeu de Justiça. Ou que seria possível começar já a discutir as futuras relações comerciais dos britânicos com a UE, mesmo antes de se adiantar mais quanto aos termos da saída do Reino Unido da Europa comunitária.

Nada disto surpreende. Muita gente avisou que dois anos não seriam suficientes para concluir estas dificílimas negociações.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Lourenço
    01 set, 2017 Viana do Castelo 17:49
    O Senhor que escreve sob a capa de Marco Visan, que muitas vezes encontro em palavras de comentário, revela, a cada comentário, uma presunção de sabedoria e uma visão unilateral da realidade! Tem muito a aprender caro amigo. Quando deixar a tipologia de comentário unilateral e "redonda" verá que muito nos ensina quem experiência tem. Aqui e em tudo na vida.
  • Marco Visan
    01 set, 2017 Lisboa 17:00
    Julgava eu e muitos outros leitores que a Renascença tinha relegado as crónicas de José Luís Nunes Martins para primeiro plano e as do «bonzo» velho Francisco Sarsfield Cabral para segundo. Infelizmente, a Renascença ainda não compreendeu a má imagem (em termos de marketing) que dá a si própria, preferindo evidenciar mais as colunas de opinião de Francisco Sarsfield Cabral. É caso para dizer que na Renascença, o velho está na moda.