O site da Renascença usa cookies. Ao prosseguir, concorda com o seu uso. Leia mais aqui.
Opinião de Graça Franco
A+ / A-

Cuidado com as efemérides

10 ago, 2017 • Opinião de Graça Franco


O Verão parece que aquece as cabeças. Diríamos tão só que estes são dias bons para Trump carregar num qualquer botão.

Quando faltam notícias a tentação de ler a lista das efemérides é grande. Hoje aconteceu e dou de caras com os 103 anos da data em que o Reino Unido declarou guerra ao império austro-húngaro e o Japão declarou guerra à Alemanha. Estava-se em 1914. E logo a seguir os 79 anos em que se iniciou a grande mobilização alemã para a II Guerra. Estava-se em 1938. E um ano depois consolidava-se o Eixo (entre a Alemanha e a Itália de Mussolini). Estava-se em 1939. Apetece passar adiante e ver o que se passou a 11 de Agosto de qualquer outro ano.

O Verão parece que aquece as cabeças. Diríamos tão só que estes são dias bons para Trump carregar num qualquer botão. Talvez por isso ele, ontem, não tenha resistido a prometer “fogo e fúria” em resposta às ameaças loucas do líder da Coreia do Norte ( Kim Jon-un) .

Os especialistas na zona avisam que as ameaças dos dois lados devem ser levadas a sério e não podem ser desvalorizadas como mais um jogo de estrito “bluff”, mesmo que a linguagem de Trump possa ser entendida apenas como uma forma de “descodificar” um aviso de bom senso para uma linguagem perceptível pelos líderes da Coreia do Norte de forma a que eles entendam o que no Ocidente poderia dizer-se de forma mais suave com um enérgico, “cuidado que já estamos a perder a paciência”.

Quando Trump subiu ao poder muitos politólogos lembraram que ele passara a ser o presidente da maior potencia nuclear mundial e teria acesso aos códigos de lançamento de um eventual ataque nuclear o que o tornava não apenas um líder original no poder mas um líder tão imprevisível e emocional quanto perigoso.

Guam é apenas uma ilha a 3,4 mil quilómetros de distância do centro nevrálgico da Coreia do Norte, povoada por escassas centenas de milhares de habitantes que se dizem “despreocupados” porque o guarda-chuva norte-americano os protegerá (oxalá não se enganem…). É sobretudo uma importante base norte-americana. Além disso um ataque a Guam não poderia deixar indiferente a Coreia do Sul nem o Japão (pense-se na população de Tóquio) e já se imagina uma desgraça de proporções alarmantes.

Perante essas repercussões não permitiria à China que continuasse em silencia durante muito mais tempo. Mas forçar decisões da elite chinesa num momento tão delicado quanto este pode ser uma política igualmente arriscada. A China vive sem pressas e os seus dirigentes não gostam de se ver confrontados com as precipitações dos outros.

Admitamos que apesar das mudanças de poder em Washington existe na América um corpo de conselheiros militares que evitarão a imprevisibilidade presidencial ou que pelo menos a reduzem impondo uma certa razoabilidade. Mesmo assim não será mau desejar que a “silly season” não seja uma vez mais tão “silly” quanto mostra a lista das efemérides.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Marco Visan
    16 ago, 2017 Lisboa 12:56
    Cuidado com a cesura, Graça Franco. Aqueles que fazem aquilo que fez em relação aos seus últimos artigos de opinião, é porque não convivem bem em democracia e num sistema de livre opinião. Sou da opinião que a Renascença deveria acabar com as colunas de opinião de Graça Franco, pois estas são de um conservadorismo e de um mau gosto que não lembra a ninguém.