A+ / A-

Estados Unidos consideram que Maduro "é um ditador"

31 jul, 2017


Os bens do Presidente da Venezuela estão congelados nos Estados Unidos. Já a procuradora-geral da Venezuela ordenou uma investigação por crimes contra a humanidade que considera terem sido cometidos.

O conselheiro nacional de segurança da Casa Branca considera que “Nicolas Maduro não é só um mau líder, ele é agora um ditador”. H.R. McMaster leu uma declaração na Casa Branca.

Já o ministro norte-americano das Finanças confirmou que os Estados Unidos impuseram sanções jurídicas e financeiras sem precedentes contra o Presidente venezuelano, congelando os seus bens e classificando-o de "ditador", em resposta à eleição de domingo de uma Assembleia Constituinte em clima de violência.

"As eleições ilegítimas de ontem [domingo] confirmam que [Nicolas] Maduro é um ditador que despreza a vontade do povo venezuelano", disse o secretário do Tesouro norte-americano, Steven Mnuchin, citando em comunicado do seu departamento, no qual se anunciou um congelamento de "todos os bens" do Presidente venezuelano nos Estados Unidos.

As sanções impostas impedem ainda que os cidadãos americanos possam fazer qualquer negócio com Nicolas Maduro.

O impacto financeiro das sanções impostas não é perceptível, refere a Associated Press (AP), uma vez que não foi revelada a relação de bens do Presidente venezuelano nos Estados Unidos.

Os Estados Unidos condenaram firmemente no domingo a eleição da Assembleia Constituinte na Venezuela e prometeram "medidas fortes e rápidas" dirigidas ao governo do Presidente Nicolas Maduro.

"Os Estados Unidos condenam" esta eleição, "que põe em perigo o direito do povo venezuelano à autodeterminação", declarou, em comunicado, Heather Nauert, porta-voz do Departamento de Estado.

De acordo com o Ministério Público venezuelano, pelo menos dez pessoas morreram, na sequência de confrontos, durante a jornada eleitoral para a Assembleia Constituinte, promovida pelo Presidente da Venezuela, Nicolas Maduro, e boicotada pela oposição.

Além dos Estados Unidos, a Colômbia, o Panamá, o Peru, a Argentina e a Costa Rica anunciaram já que não iam reconhecer a futura Assembleia Constituinte venezuelana. A Bolívia denunciou a submissão destes países ao governo norte-americano.

A convocatória para a eleição foi feita a 1 de Maio pelo Presidente, Nicolás Maduro, com o principal objectivo de alterar a Constituição em vigor, nomeadamente os aspectos relacionados com as garantias de defesa e segurança da nação, entre outros pontos.

A oposição venezuelana acusa Nicolás Maduro de pretender usar a reforma para instaurar no país um regime cubano e perseguir, deter e calar as vozes dissidentes.

Pedida investigação

Já a procuradora-geral da Venezuela, Luisa Ortega Díaz, ordenou uma investigação por crimes contra a humanidade que considera terem sido cometidos após a convocatória da eleição para a Assembleia Constituinte.
"Ordenei o início de uma investigação, uma investigação criminal", disse a procuradora-geral aos jornalistas.
Luisa Ortega Díaz considerou que "tudo o que tem causado" a convocatória para a eleição para a Assembleia Constituinte, promovida pelo governo de Nicolás Maduro, como mortes, homicídios e "extorsão de funcionários públicos", configura crimes contra a humanidade.


Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • pinóquio
    02 ago, 2017 00:38
    Só os EUA para me fazer rir sobre este assunto.
  • otário cá da quinta
    01 ago, 2017 coimbra 11:50
    ATENÇÃO: Este TIPO é um SANTO, consegue ver CHAVEZ num PASSARINHO que lhe vem cantar (!) à janela. EU FICO A PENSAR, COMO É POSSIVEL NO SÉCULO XXI, ainda se ter gente desta a comandar uma nação ! Ao longo dos séculos, apenas tem mudado os métodos ditatoriais, usando-se o vocábulo DEMOCRACIA e SOCIALISMO, para enganar o povo. Mas sendo este TIPO um ditador de direita ou de esquerda, para mim é tudo farinha do mesmo saco, PERGUNTO: Que regime nos é imposto aqui na EUROPA ? POR ACASO NÃO ESTAMOS AO SABOR DESTE IMPERIALISMO FASCISTA DA UNIÃO EUROPEIA, encapuzada de democrático ? Se é democrático, porque impõe o seu querer aos seus ESTADOS ? ( DESDE A CRIAÇÃO DA UNIÃO EUROPEIA, O POVO, OS TRABALHADORES, PERDERAM TODOS OS SEUS DIREITOS DO PASSADO (!) ). A criação da U.Europeia, só veio beneficiar o capitalismo e tornar os pobres mais pobres.
  • Samuel Torto
    31 jul, 2017 Almancil 23:11
    Ninguém tem dúvidas.So um Partido Comunista que tem delegação em Portugal..Sinto nojo de quem classifica uma ditadura sanguinário como se disse de democracia.