O site da Renascença usa cookies. Ao prosseguir, concorda com o seu uso. Leia mais aqui.
Opinião de Ribeiro Cristovão
A+ / A-

​Negócios

18 jul, 2017 • Opinião de Ribeiro Cristovão


Os encarnados estão no mercado à procura de jogadores que lhe permitam manter a consistência do seu sector defensivo se querem chegar ao almejado objectivo de chegar ao penta.

A nota mais importante do defeso que está prestes a chegar ao fim tem a ver com os múltiplos negócios que vão sendo feitos pelos clubes portugueses, sobretudo os mais importantes mas, supostamente, menos endinheirados.

Do Futebol Clube do Porto, por razões entendíveis e que não vale a pena enunciar de novo, têm chegado escassas notícias.

André Silva e Rúben Neves já respiram outros ares, quanto a aquisições não há novidades de monta, mas nada disso tira o optimismo do treinador Sérgio Conceição, que já deixou escapar uma afirmação lapidar: “os nossos reforços são aqueles que transitam da época passada.”

Dito isto, ponto final. O futuro encarregar-se-à de confirmar o estado da nação portista.

O Benfica enche os cofres mas esvazia o plantel, criando dificuldades ao técnico Rui Vitória.

A alarme soou, pelo que os encarnados já estão no mercado à procura de jogadores que lhe permitam manter a consistência do seu sector defensivo, um dos grandes responsáveis pelos sucessos dos últimos quatro anos. Se querem chegar ao almejado objectivo de chegar ao penta, os encarnados têm de iniciar uma cura séria das feridas deixadas pela goleada suíça.

Quanto ao Sporting, estamos perante o clube que mais movimentações nos tem trazido neste mercado.

Aquisições, quase uma dezena e algumas bem sonantes, parece darem garantias de que a próxima temporada poderá ser realmente diferente, para muito melhor.

Há, no entanto, ainda algumas saídas possíveis, diríamos mesmo muito prováveis, e esse é um problema que deixará de o ser a breve trecho. Uma nota especial para a saída de dois centrais, Rúben Semedo e Paulo Oliveira, o primeiro a “venda do século”, e o outro a surpresa.

Surpresa, quanto a nós, porque está para se saber se se tratou de uma boa opção a “troca” de Paulo Oliveira por Mathieu.

Lá mais para diante se verá…

Artigos AnterioresRibeiro Cristovão
 

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • De Cabeça
    18 jul, 2017 lisboa 09:57
    No SCP: tudo igual aos outros anos, ou seja, é o habitual vencedor da Liga e da Champions no Verão (pelas aquisições e entusiasmo que gera). Resta saber se no final também vai ter iguais resultados (mantém o jejum) ou é desta que ganha. Também vai vender Patricio, Adrien e William Carvalho ao Real, Barcelona ou Arsenal (tal como em anos anteriores). NO SLB: tudo alarmado, tal como nos últimos dois anos. Vendem tudo e delapidam a equipa, deixando adeptos à beira de m ataque de nervos. Mas depois aparecem os Pizzis e os putos da "B" a fazerem magia e a ganhar títulos sob a orientação do Rui Vitória. A ver vamos ... será arriscado demais tentar repetir tamanha felicidade? No FCP: sai André e entra Aboubakar (o Ruben Neves nem calçava). Esta aposta na estabilidade faz do Porto o mais forte candidato. Se não sairem Brahimi e Corona (mesmo violando o fair-play financeiro) pode ser que a equipa que quase foi campeã o venha a ser mesmo.