O site da Renascença usa cookies. Ao prosseguir, concorda com o seu uso. Leia mais aqui.
Opinião de Francisco Sarsfield Cabral
A+ / A-

Um ano depois…

11 jul, 2017 • Opinião de Francisco Sarsfield Cabral


O regresso da questão dos convites da Galp a políticos para ver jogos do Euro 2016 levanta perplexidades.

Há quase um ano, António Costa e Augusto Santos Silva afirmaram estar encerrado o caso dos convites da Galp a três secretários de Estado para irem a França ver jogos da selecção portuguesa de futebol – que acabou por ganhar o Euro 2016. Pois se até esses governantes, reconhecendo o seu erro, se haviam disponibilizado para pagarem à Galp as despesas feitas com tais convites...

A lei diz que “o titular de cargo político ou de alto cargo público que, no exercício das suas funções ou por causa delas, por si, ou por interposta pessoa, com o seu consentimento ou ratificação, solicitar ou aceitar, para si ou para terceiro, vantagem patrimonial ou não patrimonial, que não lhe seja devida, é punido com pena de prisão de 1 a 5 anos”. Mas são excluídas “as condutas socialmente adequadas e conformes aos usos e costumes”.

Parecia, então, que os convites da Galp aos secretários de Estado se poderiam enquadrar nessas condutas. Até porque os visados se comprometeram a não intervir em assuntos envolvendo a Galp. Pelos vistos, não é esse o entendimento do Ministério Público – já tinham sido constituídos arguidos um chefe de gabinete, um ex-chefe de gabinete e um assessor económico do primeiro-ministro. E tudo indica que os três secretários de Estado se anteciparam à sua provável indigitação como arguidos, entretanto já concretizada. Agora querem provar na justiça não terem cometido qualquer acto ilícito.

Admito que a situação do secretário de Estado dos Assuntos Fiscais era delicada, porque a Galp enfrenta o Estado em tribunal quanto ao pagamento de cerca de 100 milhões de euros de impostos. Mas quanto aos outros, não parece convincente o motivo para os constituir arguidos.

É uma estranha forma de comemorar o primeiro aniversário da vitória de Portugal no Euro 2016. Mais grave, levanta dúvidas sobre o que de eventual carácter criminoso se terá passado para este assunto, que parecia morto e enterrado, ter reaparecido desta maneira. O que terá descoberto o Ministério Público que não seja, já, do conhecimento geral? Conviria dar uma explicação aos portugueses.

Artigos AnterioresFrancisco Sarsfield Cabral
 

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Fernando de AlmeidaP
    11 jul, 2017 Porto 18:20
    Também estavam convencidos que o "DIABO" ia chegar.Como não chegou...
  • 11 jul, 2017 16:18
    O MP está a fazer o seu trabalho... ainda que muitos políticos, os verdadeiros e estes encapuçados, como o Francisco Sarsfield Cabral, desejassem que não o fizesse. Recorrendo à lei: "as condutas socialmente adequadas e conformes aos usos e costumes”., ora acontece que não é costume oferecer viagens a membros do governo! Não conheço ninguém, nem nenhuma empresa que o tenha feito!