O site da Renascença usa cookies. Ao prosseguir, concorda com o seu uso. Leia mais aqui.
Opinião de Francisco Sarsfield Cabral
A+ / A-

​À espera de um desastre

16 jun, 2017 • Opinião de Francisco Sarsfield Cabral


As autoridades parecem não ter meios de evitar um grave acidente aéreo envolvendo um “drone”.

Na quarta-feira à noite um avião da TAP, procedente de Milão, a poucos minutos de aterrar no aeroporto Humberto Delgado, em Lisboa, cruzou-se com um “drone” a 700 metros de altitude. Menos de 15 dias antes, a 1 de Junho, um avião do grupo Air France/KLM, vindo de Paris, quase colidiu com um “drone” a 450 metros de altitude, quando fazia a aproximação final à pista do aeroporto Francisco Sá Carneiro, no Porto.

Desde o início deste ano terão ocorrido cinco casos destes. Em 2016 foram nada menos de 31. Em grande parte graças à competência e ao sangue-frio dos tripulantes dos aviões comerciais em causa, nenhum destes incidentes passou a acidente. Mas, se não forem tomadas medidas sérias para evitar estes perigosos incidentes, a probabilidade de um grave acidente é cada vez maior.

Não basta a Autoridade Nacional de Aviação Civil proibir os voos dos “drones” acima de 120 metros de altitude, bem como em zonas de aproximação e descolagem de um aeroporto. Estas regras são infringidas com frequência e com total impunidade.

Em Janeiro passado entrou em vigor um diploma legal alegadamente para regulamentar a utilização de “drones”. Pelos vistos, a sua eficácia é modesta. Aliás, essa regulamentação não exige qualquer licenciamento dos proprietários nem dos "pilotos” desses aparelhos voadores. Assim como não estabelece uma obrigação de registo dos proprietários dos "drones". Ora a Comissão Nacional de Protecção de Dados tinha solicitado que fossem identificados os proprietários e os utilizadores de “drones”. Julgo, aliás, que tais elementos nem necessitariam de ser públicos – teriam, sim, de ser do conhecimento das autoridades.

Sem aqueles elementos, o combate a voos perigosos de “drones” não passa do papel. Como aconteceria com a condução automóvel se não existissem matrículas nem livretes. É uma situação absurda a que urge pôr cobro.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • DMAR
    16 jun, 2017 Queluz 17:55
    Não podia concordar mais, e com conhecimento de causa. Sou aeromodelista de rádio controlo, não de multicópteros (os chamados drones), mas de modelos de aviões e helicóptero. Estou licenciado pela Federação Portuguesa de Aeromodelismo (FPAm) e todos os meu modelos estão identificados com nome, morada e contacto. Infelizmente a irresponsabilidade graça, especialmente nos drones, que podem ser "comandados" por computador a grandes distâncias, na busca de um pico de adrenalina que pode ser fatal para terceiros.