O site da Renascença usa cookies. Ao prosseguir, concorda com o seu uso. Leia mais aqui.
Opinião de Henrique Raposo
A+ / A-
​NEM ATEU, NEM FARISEU

“Amo-te muito, irmão”

02 jun, 2017 • Opinião de Henrique Raposo


Ser irmão é uma luta. O estado normal dos irmãos é a tensão, sobretudo entre irmãos do mesmo sexo, irmão contra irmão, irmã contra irmã. É a nossa natureza.

Quando penso na irmandade em abstracto ou no meu irmão em concreto, passo sempre por “Nós Controlamos a Noite”, filme de James Gray e com Joaquin Phoenix e Mark Wahlberg. É a história de dois irmãos que termina com um “amo-te muito, irmão”, mas este final representa apenas dez segundos de redenção depois de hora e meia de luta entre os dois.

Ser irmão é uma luta. O estado normal dos irmãos é a tensão, sobretudo entre irmãos do mesmo sexo, irmão contra irmão, irmã contra irmã. É a nossa natureza.

De resto, o livro dos livros está recheado de histórias sobre esta guerra fratricida, Abel versus Caim, Jacob versus Esaú, José versus irmãos. Sim, eu amo o meu irmão, mas esse amor resulta de um treino, de uma educação, de uma moral imposta pelos meus pais. Sim, o amor fraternal até se pode tornar uma segunda natureza, um hábito adquirido, mas convém nunca esquecer que a nossa natureza primordial é a pedra de Caim estilhaçando o crânio de Abel.

Acham que estou a ser demasiado duro? Então pensem nos casos de partilhas de heranças que acabam em invejas envinagradas na maturidade ou nas infâncias marcadas por bulhas e birras entre irmãos. Ainda há dias, numa crónica publicada aqui no sítio da Renascença, Raquel Abecassis relembrou que ter irmãos não é “make love and peace”, é mais “war”. Sim, guerra, conflito, luta. Não há fraternidade sem lutas e, acima de tudo, não há boa fraternidade sem a consciência de que ser um bom irmão implica estar sempre em luta com os nossos instintos, com o nosso egoísmo, com a nossa maldade animal.

Quando tive a minha segunda filha, reforcei esta ideia. Como todas as crianças, a mais velha reagiu mal à presença da irmã. Nessa altura, percebi por exemplo que as grades do berço não servem para impedir o bebé de sair, servem para impedir os irmãos mais velhos de entrar. O berço não é amor, é guerra; é o escudo ou bunker de Abel contra a fúria de Caim. Nós tivemos de educá-la para amar a irmã. E, sim, foi duro confirmar através das minhas próprias filhas que o amor fraternal não flui do nosso coração; é uma vitória da moral sobre a natureza, é um treino religioso contra aquele impulso básico que é expulsar o benjamim indefeso da ninhada.

Sim, meus caros, um treino religioso. Não é por acaso que a parábola mais poderosa de Jesus Cristo é a parábola do filho pródigo. E também não é por acaso que Cristo não nos dá um final feliz nesta parábola, ou melhor, não nos dá qualquer tipo de final. Não ficamos a saber qual é o acto final do irmão que está enraivecido, ficamos sem saber o que ele diz ou faz depois de ouvir a justificação do pai: “Filho, tu estás sempre comigo, e tudo o que é meu é teu. Mas tínhamos de fazer uma festa e alegrar-nos, porque este teu irmão estava morto e reviveu, estava perdido e foi encontrado (Lc 15, 31).

Abruptamente, a parábola acaba assim. É por isso que encaro “Nós Controlamos a Noite” como a peça extra que estica a parábola por mais dez segundos, o tempo necessário para ouvirmos “amo-te muito”. É um “amo-te muito, irmão” pesado, difícil, silencioso, é um murmúrio quase imperceptível, mas é um murmúrio que vem lá do fundo, daquele fundo que só uma guerra contra nós próprios consegue cavar.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Jorge
    13 jul, 2017 16:19
    Nao tenho irmãos, como gostaria, nem experiência própria para me pronuncir; mas discordo da linha das opiniões aqui expressas: dois irmaos sao uma uniao de vontades, de cultura familiar e de apoio mutuo. O problema surge com o casamento e com a separação e dispersão da familia: ("Cunhadas sao unhadas - e cunhados também ")
  • MariaGuerra
    08 jun, 2017 Porto 12:22
    "Amo-te muito, irmão" - Como sempre o Henrique Raposo, na minha opinião, é simplesmente Brilhante. Obrigada, gosto muito das suas lições. Tenho 7 irmãos, gosto de todos, mas não nego eventuais pontinhas de sentimentos menos bonitos, é a condição humana. Na verdade, e apesar de tudo, o amor entre todos está ligado ao imenso património de educação que herdámos dos nossos Pais. Um bem haja pelo que é e nos acrescenta. Maria Guerra
  • Vera
    06 jun, 2017 Palmela 17:02
    Há uma coisa na vida chamada razão, essa razão não nasce connosco, essa razão vem de Deus! por vezes temos que lutar com os nossos irmãos/irmãs, para que eles, um dia, não sejam castigados por Deus! Minha irmã, aquilo que nos parece certo por teimosia, porque julgamos seguir pelo caminho mais prático, não é o caminho certo aos olhos de Deus! e lutamos! lutamos por uma justiça cega que é própria do ser humano!!! e sofremos com essa luta entre irmãos/irmãs; nem sequer sabemos porque lutamos, mas sabemos que se temos amor pelos nossos irmãos/irmãs, temos que lutar e sofrer por eles... E se 'depois da morte há vida', como disse Jesus Cristo, é um dever não deixar os nossos irmãos/irmãs, caírem numa cilada! Podemos até chamar a polícia, para impedir que os nossos irmãos/irmãs cometam erros; isso custa! é um peso insuportável! mas é preciso salvá-los das garras infernais! E Deus, para nos aliviar desse peso, coloca-nos à frente dos nossos olhos, um texto que alguém teve a ousadia de escrever: “Amo-te muito, irmão”. Pois é... Obrigada Henrique Raposo! Deus te abençoe.
  • mara
    04 jun, 2017 Portugal 23:20
    Grande verdade encerra este excelente artigo, infelizmente desde miúda sofro na minha pele tudo o que o Ex Senhor Doutor refere no vosso artigo.
  • João Lopes
    02 jun, 2017 Viseu 09:57
    Excelente artigo de Henrique Raposo. Tem razão: «ser um bom irmão implica estar sempre em luta com os nossos instintos, com o nosso egoísmo, com a nossa maldade animal». Talvez por isso, Jesus tenha dito: “nisto conhecerão que sois Meus discípulos, se vos amardes uns aos outros, como Eu vos amei”…