O site da Renascença usa cookies. Ao prosseguir, concorda com o seu uso. Leia mais aqui.
|
Da Capa à Contracapa
Os grandes temas da actualidade em debate aos sábados, às 9h30. Uma parceria da Renascença com a Fundação Francisco Manuel dos Santos.
A+ / A-
Arquivo
Da Capa à Contracapa

Precisamos de imigrantes

20 mai, 2017 • José Pedro Frazão


Para manter a população portuguesa nos níveis actuais é preciso que, todos os anos, entrem em Portugal mais 47 mil pessoas, conclui uma investigação da Fundação Francisco Manuel dos Santos. O estudo Migrações de Substituição e Sustentabilidade Demográfica é o destaque do programa Da Capa à Contracapa desta semana, com os economistas e investigadores João Peixoto, Maria Teresa Medeiros Garcia e Vítor Escária.
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Manuel
    22 mai, 2017 09:49
    P/Jacinto- Caro Sr. é só para felicitá-lo pelo seu comentário, relativamente ao tema supracitado. Muito bem estruturado e concebido.
  • Jacinto
    20 mai, 2017 Lisboa 19:00
    Portugal é e foi desde o seculo 19 um País de emigrantes mais d que imigrantes.Para atrair imigrantes não subsidiodependentes é necessário estruturas económicas fortes estruturadas atentas ao Mundo sempre em expansao , áreas de investigação e inovaçao sem limite ,aproveitamento dos recursos existentes ,marketing etc de forma que a massa salarial provoque aumento da natalidade e atraia mâo de obra qualificada e diferenciada de forma a fazer a diferença.Só quando Portugal atingir os níveis salariais da Austrália,Reino Unido,Alemanha etc poderá aspirar ao volume de 47000 migrantes por ano.Para além dos rendimentos contam as condições sociais ,alojamento,creches,saude,estabilidade garantida,reforma etc.Como o relatado é uma miragem a contração demográfica será uma certeza pois o Mundo que atrai caminha uns quarenta anos á nossa frente.A forte e diversificada legislação mtas vezes altamente punitiva sobre varias matérias entre elas os bens moveis,imoveis e salários tb n ajuda,a distonia entre urbanos e rurais é um handicap,o desaparecimento das famílias alargadas outro etc etc. Enfim, muito dos jovens atuais nem sequer poêm a hipótese de ter filhos ou constituir familia ,as famílias estruturadas como consequência dos valores transmitidos pelos mandantes estão em extinção e por fim para que criar com desvelo e sacrifício filhos queridos quando a perspetiva é serem eutanasiados?
  • Manuel
    20 mai, 2017 12:01
    Para já comece-se a pagar salários com um mínimo de dignidade a quem trabalhe, para que essas pessoas não emigrem. Diminuir o horário de trabalho para 35 horas semanais (como em FRANÇA), para haver mais emprego disponível. Agora, se há desemprego à volta de 10%, onde está a lógica de mais imigração? Grande parte dessas pessoas sem qualificações virão mais para consumir subsídios, pois dificilmente encontrarão a ocupação, que não existe para milhares de portugueses que cá estão...Melhore-se substancialmente o nível de vida das famílias portuguesas e, estas seguramente apostarão no aumento do agregado familiar. Habitação acessível e não especulativa como existe atualmente. Certamente que muitos milhares de portugueses regressariam a Portugal. Melhor imigração que esta não pode haver. Aposte-se mais nos portugueses e no Estado social o aumento demográfico terá futuro no nosso país seguramente. Não sou contra a imigração, mas com responsabilidade respeitando a vontade e a cultura de estar dos portugueses.