O site da Renascença usa cookies. Ao prosseguir, concorda com o seu uso. Leia mais aqui.
|
Opinião de Francisco Sarsfield Cabral
A+ / A-

Almaraz em causa

17 mai, 2017 • Opinião de Francisco Sarsfield Cabral


Não é preciso ser um ambientalista para ficar alarmado com a central nuclear de Almaraz.

A Renascença revelou ontem que o Exército português fez, em 2010, uma simulação sobre a central nuclear espanhola de Almaraz. Supondo que teria havido uma grave acidente na central, 800 mil pessoas em Portugal poderiam ser afectadas pela nuvem radioactiva.

No entanto, segundo a oficial major Ana Silva, “o problema não é tanto o que resulta da exposição imediata à radiação, mas, sim, os efeitos que se podem manifestar caso a exposição seja prolongada”.

É certo que a simulação foi realizada a partir do cenário mais perigoso, com uma probabilidade de ocorrência muito baixa. Mas suscita preocupação, dado que Almaraz fica junto ao rio Tejo e perto da fronteira portuguesa.

Suscita também perplexidade. A Autoridade Nacional de Protecção Civil não conhece esta simulação do Exército. O estudo foi apresentado aos técnicos de Almaraz, que parecem haver concordado com ele. Mas não existe planeamento luso-espanhol e muito menos exercícios conjuntos dos dois países para enfrentar uma possível catástrofe nuclear a partir de Almaraz.

Não é preciso ser um ambientalista para ficar alarmado. Tanto mais que o Ministério português do Ambiente deu um parecer favorável a um relatório da Agência Portuguesa do Ambiente que não se opôs à construção de um armazém de resíduos nucleares em Almaraz.

E tudo indica que será prolongada da vida desta central, que já deveria ter sido encerrada há pelo menos dez anos.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • António Costa
    18 mai, 2017 Cacém 12:43
    "Se te derem um limão, faz uma limonada". Alguém sabe fazer "limonadas" com resíduos radioativos? Todos sabemos que existe radioatividade "natural" e que nestes locais a probabilidade de apanhar cancro (por exemplo) é muito mais elevada. Mesmo sem acidentes, os "resíduos radioativos" tem que ser "armazenados algures". E ninguém os quer, evidentemente.
  • rosinda
    18 mai, 2017 palmela 01:46
    Eu nao sou ambientalista e tenho medo,os presidentes das cameras mais proximas deviam promover manifestaçoes! para ver se os espanhois acordam ! ja que o governo portugues anda a dormir.