O site da Renascença usa cookies. Ao prosseguir, concorda com o seu uso. Leia mais aqui.
Opinião de Luís António Santos
A+ / A-

Que jornalismo fizeste em Fátima?

13 mai, 2017 • Opinião de Luís António Santos


Os erros, as repetições e, sobretudo, os exageros/abusos aconteceram mais na produção de umas empresas do que noutras.

Naquela que terá sido uma das mais relevantes interpelações à comunidade de crentes reunida, por estes dias, em devoção mariana o Papa Francisco disse: “Peregrinos com Maria...Qual Maria? (...) a primeira que seguiu Cristo pelo caminho «estreito» da cruz dando-nos o exemplo, ou então uma Senhora «inatingível» e, consequentemente, inimitável? A «Bendita por ter acreditado» (cf. Lc 1, 42.45) sempre e em todas as circunstâncias nas palavras divinas, ou então uma «Santinha» a quem se recorre para obter favores a baixo preço?”.

É uma interpelação que desassossega, mas que impõe a todos uma postura simultânea de auto-questionamento e de disponibilização para a ação.

Se nos apropriarmos deste ‘modo de ver’ e o aplicarmos à cobertura que os média nacionais fizeram da visita Papal – ‘Jornalismo?... Que jornalismo?’ – podemos, numa naturalmente falível leitura ainda marcada pela proximidade aos eventos, salientar algumas observações pertinentes.

A primeira tem a ver com a escala. Milhares de jornalistas produziram milhares de caracteres, centenas de peças de audio, video e multimédia e ocuparam também centenas de horas em ‘diretos’ e ‘emissões especiais’. Seria impossível avaliar toda esta produção com atenção e seria igualmente impossível garantir que não se abusou da repetição, não se cometeram erros, não se disseram asneiras, não houve ações à margem do eticamente aceitável. Houve de tudo isso um pouco, como é normal numa cobertura gigantesca de eventos mobilizadores.

Dito isto, os erros, as repetições e, sobretudo, os exageros/abusos aconteceram mais na produção de umas empresas do que noutras. E isso leva-me à segunda observação – algumas delas preparam o trabalho jornalístico considerando a natureza do evento, a sua memória, ou a cronologia da narrativa, enquanto que outras parecem ter pegado numa espécie de lista de procedimentos para cobertura de eventos de grande escala... e avançaram para o terreno confiando na destreza e na capacidade de improvisação dos seus profissionais; ‘fez-se’ Fátima como se ‘faz’ um grande evento desportivo ou um festival de música. Dois canais de televisão em particular esticaram esta ideia a tal ponto que misturaram a produção jornalística com uma lógica de entretenimento (e assim nos foi possível ver um cantor ‘improvisar’ em pleno Santuário).

A terceira observação tem a ver com a intensidade. Quem comparasse o trabalho feito pelas principais rádios com o trabalho feito pelos principais canais de televisão ficaria, de certeza, com a ideia de que a cobertura televisiva foi genericamente mais impositiva, mais ruidosa, mais estridente até. Na rádio – mesmo sem a ajuda da imagem – falou-se menos, falou-se de forma mais pausada, diziam-se coisas com mais sentido; tudo parecia mais ponderado, mais medido, mais consistente do que na TV. Esse contraste foi – por estranho que possa parecer – mais visível entre as duas empresas de Serviço Público. Enquanto a rádio, a Antena 1, nos proporcionou um trabalho de enorme qualidade (a começar nas reportagens que diariamente foi transmitindo nos dias que precederam a chegada do Papa), a RTP/televisão deu-nos a ideia de que trabalhou ‘em cima do joelho’, com alguns momentos verdadeiramente inexplicáveis (como o do repórter que não parava de falar – sem conteúdo relevante e sem sentido – durante o momento de silêncio e recolhimento na Capelinha das Aparições).

Quarta e última observação – a presença nas plataformas digitais foi, para algumas empresas, ainda um espaço de replicação dos conteúdos ditos tradicionais (por vezes complementados à custa do voluntarismo individual desta ou daquele jornalistas) mas foi, para outras, já um lugar de produção alternativa ou complementar – com um agendamento próprio e com ritmos diferenciados consoante a plataforma. Neste particular destacaria o que me parece ser a ‘nova vida’ do Jornal de Notícias e o lugar de liderança distanciada e solidamente diferenciada da Renascença.

A interpelação feita pelo Papa Francisco sugere que não há caminhos únicos e se dela nos apropriarmos para avaliar o jornalismo que se produziu na cobertura do Centenário de Fátima percebemos também que empresas diferentes decidiram fazer trabalho diferente; umas apoiaram-se mais no improviso ao passo que outras planearam em detalhe o trabalho; umas fizeram do Santuário mais um dos seus ‘circos’ enquanto que outras nos falaram da natureza única do espaço e do momento. O jornalismo não foi todo igual e não devia nunca ser. Mas compete-nos perceber bem as diferenças antes de fazermos as nossas escolhas ou de – mais grave – nos perdermos na injustiça das generalizações.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • André Souza
    15 mai, 2017 Vila Pouca de Aguiar 15:40
    Interessante o artigo. Ouço várias rádios e também faço zapping. Sábado passei pela TSF, quando decorria a missa, o momento do Rito Sacramental. Ouvir a repórter / jornalista? sem qualquer preparação para o que estava a descrever, dizendo por exemplo: Nossa Senhora impávida e serena!! Se alguém conseguir esses minutos de reportagem da TSF pode constatar a falta de preparação.
  • Noémia Godinho
    14 mai, 2017 Corroios 17:46
    Não passei por nenhum desses tipos de reportagem audio ou visual! Por saber que há intervenções fora do contexto ou tipo feira popular, acabei por comprar uma TV de dimensões maiores e liguei-a ao CP e liguei-me ao site oficial de Fátima no You Tube e consegui ver, ouvir, ficar em silêncio quase todo o tempo. Só recorri à RTP que subscrevi há algum tempo atrás, a despedida do Santo Padre já no aeroporto meditar e ficar em silêncio em comunhão com os intervenientes das cerimónias! No entanto, os meus parabéns pelo seu artigo de opinião, não poderia estar mais de acordo com o que escreveu!
  • MASQUEGRACINHA
    14 mai, 2017 TERRADOMEIO 16:29
    Bem visto e melhor descrito. No que toca à Renascença, nada a estranhar, afinal são (não são?) especialistas no assunto. Já quanto à diversidade das coberturas, mais ou menos coloridas e folclóricas, suponho que espelhe a diversidade humana, enfim, de públicos, como se diz por aí no "meio", com diferentes apetites. Gostei particularmente que nos tenha relembrado a interpelação do Papa, e logo no início do artigo : as palavras que Francisco não desiste de dizer, e que são o que fica, ou deveria ficar, no meio do ruído.
  • Joaquim
    14 mai, 2017 Lisboa 14:17
    "(como o do repórter que não parava de falar – sem conteúdo relevante e sem sentido – durante o momento de silêncio e recolhimento na Capelinha das Aparições)." Sr. Luís, só neste "reparo" você disse e explicou tudo. Infelizmente a qualidade do nosso jornalismo à muito que bateu no fundo. Reparando na composição das frases, erros gramaticos de 1a classe, e na falta de veracidade nos artigos que hoje se publicam diariamente, só é possivel fazer uma leitura. Infelizmente o jornalismo hoje em dia não passa de uma verdadeira fábrica de ração para alimentar a carneirada.
  • Simão Cardoso
    14 mai, 2017 Vila Nova de Gaia 12:17
    Parabéns por esta belíssima crónica-comentário. Inteiramente de acordo. Um senhor Doutor (assim mesmo, por extenso e com maiúscula) fartou-se de asneiras no dia 12, dia da chegada do Papa Francisco, a propósito de tudo e de mais alguma coisa. Obrigado.