O site da Renascença usa cookies. Ao prosseguir, concorda com o seu uso. Leia mais aqui.
Opinião de Manuel Pinto
A+ / A-

​Para lá das notícias falsas

08 mai, 2017 • Opinião de Manuel Pinto


Ninguém de bom senso admite e aceita a fabricação de factos e a difusão de notícias falsas. Casos como este suscitaram alarme, até porque têm ou podem ter consequências na vida real.

Uma das patranhas mais propalada nas redes sociais, nas semanas anteriores à recente eleição presidencial nos Estados Unidos da América, foi a de que o Papa Francisco havia decidido apoiar Trump. Entre apoiantes do agora presidente e diletantes de semelhantes ‘partilhas’ e ‘likes’, o factoide vicejou e multiplicou-se como cogumelos depois da chuva.

Ninguém de bom senso admite e aceita a fabricação de factos e a difusão de notícias falsas (fake news). Casos como este suscitaram alarme, até porque têm ou podem ter consequências na vida real. Daí que a reacção tenha sido, até aqui, direcionada em três sentidos: desenvolvimento de processos independentes de verificação dos factos (fact checking); pressão sobre o Facebook e Google para que tomem medidas de autocontrolo; e aposta mais decidida na literacia mediática e, em particular, na literacia sobre as notícias e a atualidade.

Esta última linha de ação passa por treinar, no domínio na educação escolar e não só, processos de verificação das fontes noticiosas, capacidade de distinguir as confiáveis das suspeitas, perceber o que são factos e o que são opiniões, e quem é que os difunde e a sua credibilidade.

O limite deste tipo de ações é a ingenuidade ou a simplificação. É criar a ideia de que elas, as fake news “andam aí”, em cada esquina da internet, fazer disso um motivo de caça, e esquecer, entretanto, que tanto ou mais do que notícias falsas, o que importa procurar é as meias-verdades, os boatos e rumores, as notícias patrocinadas, os “factos alternativos”, para já não falar nos silêncios, silenciamentos e exclusões. E também os gestos e testemunhos de quem, nomeadamente no jornalismo, se bate corajosamente pela transparência e pela verdade.

O último relatório do Reuters Institute sobre o jornalismo digital concluía que é pelo Facebook que dois terços dos seus utilizadores se informam. Ora esta rede social devolve aos seus utilizadores os seus próprios ecos, bem como o de ‘amigos’ e ‘amigos de amigos’ que navegam nas mesmas águas e visitam os mesmos portos. Por outro lado, continua-se a ignorar que uma pesquisa do Google nos devolve, de facto, o espelho do que o motor de busca sabe serem os nossos interesses.

Bastaria isto (mas há muito mais), para se perceber que a cidadania crítica e participativa carece hoje, vitalmente, de uma literacia acerca da informação e dos media, que não pode quedar-se pela sedução (tecnológica e política) da tecnologia.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • António Costa
    08 mai, 2017 Cacém 10:36
    Há muitos anos atrás, existia a censura: O que era? As "noticias" para serem publicadas eram "analisadas" e só as "verdadeiras" eram publicadas...Nesses tempos recuados, alguém que publicasse "informações" contra o regime era perseguido (despedido, preso, espancado e por vezes morto ) E Hoje? Espancar pessoas ou "fechar" jornais e revistas com recurso à violência, é bastante "mal visto". Então, compram-se jornais, revistas e estações de televisão onde se repete sem parar (repetem!) notícias falsas ou terrivelmente manipuladas. Pergunte-se a "opinião" sobre a Síria (exemplo) e é ver nas pessoas a "repetição" estupida de apenas "instruções". Peça-se a essas pessoas que num Mapa do Médio Oriente, justifiquem as opiniões, e elas só sabem "repetir instruções"... Enfim, mas com a Internet os "independentes", com menos "recursos", recorrem às mesmas táticas. Resumindo, a "Noticia Falsa" e a "Mentira" Democratizou-se......apenas isso....