O site da Renascença usa cookies. Ao prosseguir, concorda com o seu uso. Leia mais aqui.
A+ / A-

Morreu António Pires de Lima, ex-bastonário dos advogados

06 mai, 2017


Tinha 80 anos e estava internado em Lisboa há cerca de uma semana.

O antigo bastonário da Ordem dos Advogados António Pires de Lima, 80 anos, morreu este sábado, no Hospital da Luz, Lisboa, onde se encontrava internado desde o início da semana, disse à Lusa fonte familiar.

O antigo bastonário da Ordem dos Advogados (OA), cuja saúde se degradara nos últimos anos, morreu rodeado da família, acrescentou a mesma fonte.

O velório de António Pires de Lima realiza-se a partir das 14h00 de domingo na igreja dos Santos Reis Magos, ao Campo Grande, em Lisboa. Na segunda-feira, às 13h00, haverá missa de corpo presente na igreja, realizando-se de seguida o funeral para o cemitério do Alto de S. João, em cujo crematório o corpo será cremado, às 15h00.

António Pires de Lima nasceu em 30 de Outubro de 1936 na freguesia de Santa Maria Maior, concelho de Barcelos, distrito de Braga.

Licenciado em Direito pela Faculdade de Direito da Universidade de Lisboa, em 1958, António Pires de Lima era casado e pai de quatro filhos e foi bastonário da OA no triénio 1999/2001.

Advogado em regime de profissão liberal, foi consultor jurídico em vários organismos e sociedades e mediou arbitragens de âmbito internacional. Foi também membro do Tribunal Arbitral.

Entre as condecorações e louvores que obteve contam-se a das medalhas das campanhas em Angola em 1966/68, onde cumpriu serviço militar obrigatório entre 1957/59 e para onde foi reincorporado em 1960/61 e 1966/68, e a medalha de Benemerência da Cruz Vermelha Portuguesa.

Comenda de Mérito Civil Espanha e a Comenda de Número da Ordem Isabel a Católica foram outras das condecorações atribuídas a António Pires de Lima.

Foi ainda membro do Conselho Distrital e vice-presidente do conselho geral da OA e do Conselho Nacional de Profissões Liberais, membro da Junta Directiva da Câmara do Comércio e Indústria Luso-Espanhola, e vice-presidente da Cruz Vermelha Portuguesa, entre outros.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Francisco Serra
    07 mai, 2017 Barcelos 17:32
    À Família deste nobre conterrâneo as minhas sinceras condolências.Figura de grande lutador pelos melhores valores que uma Pátria tem.