O site da Renascença usa cookies. Ao prosseguir, concorda com o seu uso. Leia mais aqui.
A+ / A-

"Falhas graves". ​BE pede exoneração do governador do Banco de Portugal

06 abr, 2017


Deputada Mariana Mortágua diz que Carlos Costa falhou e não tem condições para continuar à frente da instituição.

O Bloco de Esquerda (BE) apresentou um projecto de resolução para exonerar o governador do Banco de Portugal, Carlos Costa. O diploma, que vai ser votado na sexta-feira, faz parte de um conjunto de propostas para alterar o sistema financeiro e a supervisão bancária.

Para Mariana Mortágua, vice-presidente da bancada bloquista, está mais do que provado que houve falhas graves de Carlos Costa ao longo dos processos do Banco Espírito Santo (BES) e Banif.

“Não podemos assistir àquilo que aconteceu no BES, no Banif, olhar para a actuação do Banco de Portugal e não tirar qualquer tipo de conclusão”, afirma Mariana Mortágua.

Na opinião do BE, a “conclusão é simples”: o governador tem que ir embora, porque “falhou gravemente em vários aspectos” e “não tem condições para se manter à frente da instituição”.

“Isto não é um ataque ao Banco de Portugal, não é um ataque à credibilidade do Banco de Portugal, o que nós queremos é defender o Banco de Portugal, a sua credibilidade, a sua legitimidade e capacidade de intervenção, removendo do Banco de Portugal o seu governador, que nós entendemos que não cumpre os requisitos para se manter à frente da instituição”, defende Mariana Mortágua.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Felisbela Sousa
    07 abr, 2017 Barreiro 17:28
    Deve ser a única coisa que concordo com o bloco.Esta peste já há muito tempo devia ter saído.Ainda agora que supervisão faz à banca,quando ele descaradamente vai à conta de um qualquer depositante.seja institucional ou pensionista e saca de lá valores não. autorizados como comissões,manutenção,desp. administrativas,taxas,etc.Roubos autênticos e ninguém pôe termo a este abuso.Por isso este regulador deve ser julgado não só administrativamente, mas judicialmente,assim como essa seita que dirige a banca e rouba face ás necessidades que tem para compôr balanços e pedirem milhões de vencimentos e gratificações.A roubarem assim não é preciso especialização especial para gerir banca, qualquer inergumo ou daqueles que andam na baixa lisboeta a sacar as carteiras aos turistas e não só.Por isso haja alguém que ponha isto nos eixos e esse homem na rua.