O site da Renascença usa cookies. Ao prosseguir, concorda com o seu uso. Leia mais aqui.
A+ / A-

Notícias falsas são tão partilhadas como as verdadeiras

27 mar, 2017


O estudo foi feito no estado norte-americano do Michigan pela Universidade de Oxford durante a última campanha presidencial.

Os investigadores do Instituto da Internet da Universidade de Oxford concluiram que os utilizadores partilham tantas notícias falsas como notícias feitas por órgãos profissionais e com fontes verificadas.

A análise foi feita durante 10 dias, no final da campanha presidencial norte-americana no Estado do Michigan (um Estado dividido entre republicanos e democratas) e a equipa da Universidade de Oxford verificou que cerca de um quarto das notícias partilhadas na rede social Twitter eram falsas. Os autores acreditam que este seja o primeiro trabalho sobre a temática.

Os mesmos investigadores dizem que as noticias profissionais, definidas como sendo difundidas por distribuidores creditados que veiculam informação de qualidade, também valem cerca de 25% das re-publicações.

A partilha de “fake news”, particularmente nas redes sociais, tem sido criticada por distorcer as percepções públicas e o debate político em muitos países do ocidente. Estes investigadores preferem o termo “junk news” (lixo noticioso) para estes conteúdos que difundem ideias propagandísticas, conspirativas e ideologicamente extremistas.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.