O site da Renascença usa cookies. Ao prosseguir, concorda com o seu uso. Leia mais aqui.
Opinião de Ribeiro Cristovão
A+ / A-

Chuva de golos

09 mar, 2017 • Opinião de Ribeiro Cristovão


Vinte e um golos repartidos por quatro jogos deixaram a marca de grandes equipas europeias, podendo prever-se, sem levar muito longe a adivinhação, que o futuro campeão da Europa poderá sair do lote que alcançou a qualificação nestes dois dias.

A jornada dupla da Liga dos Campeões Europeus constitui-se como um verdadeiro hino ao futebol brindado com uma chuva de golos repartidos por dois dias de jogos de enorme intensidade.

Vinte e um golos repartidos por quatro jogos deixaram a marca de grandes equipas europeias, podendo prever-se, sem levar muito longe a adivinhação, que o futuro campeão da Europa poderá sair do lote que alcançou a qualificação nestes dois dias.

De facto, e sem menosprezo pelos demais, não deverá haver favoritos mais sólidos do que Bayern de Munique, Real Madrid, Borússia Dortmund e Barcelona.

Noite para nunca mais esquecer aconteceu na capital da Catalunha onde o Barcelona, vindo de uma goleada na cidade-luz, conseguiu a remontada em circunstâncias impróprias para cardíacos. Não será tão cedo que os catalães voltarão a viver uma noite tão mágica, que também poderá ter contribuído para que Luiz Henrique repense a sua decisão de abandonar o clube.

Na Alemanha, previam-se muitas dificuldades para uma equipa que viajara com apenas um golo de vantagem. E um golo sofrido logo no dealbar da partida deitou tudo a perder, dando lugar a uma goleada que só acabou por confirmar a qualidade da equipa germânica e a diferença que, na segunda parte, ficou bem à vista em relação ao campeão português.

Para o Benfica a rota europeia chegou ao fim. Agora terá de virar-se para as competições nacionais, nas quais ainda muitas coisas estão em jogo. Veremos, na segunda-feira, no estádio da Luz, frente ao Belenenses, que estragos poderão ter deixado esta fracassada viagem à Alemanha.

PS.- Para além da noite europeia, uma nota para o dia em que a Justiça portuguesa funcionou.

Como se esperava, o treinador Marco Silva foi ressarcido das graves ofensas de que foi vítima através de acusações torpes a que o tribunal não deu razão. A honra do ex-treinador do Sporting não sai assim minimamente beliscada de um episódio triste, ficando também uma lição para todos quantos se prestam a fazer serviços rascas dos quais não podem sair compensados, para que assim seja preservada a nossa higiene mental.

Ainda bem, repito, que a Justiça actuou destapando, mais uma vez, a cara aos sem vergonha.

Artigos AnterioresRibeiro Cristovão
 

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • HelderC
    09 mar, 2017 Vendas Novas 10:30
    Sr R. Cristivão, ontem enquanto jantava ouvia o relato pela RR (Benfica-Dortmund), no meio de tanta esteria dos comentadores e relatadores, que até dou de barato visto ser habitual nos jogos desta equipa, a dada altura o relatador até chamava o N. Semedo de ''nelsinho''. Olhe que coisa carinhosa! Depois o outro é que não é correcto, quando fala no exercito né! Carregou-se no botão e já está, desligado. Teatro pela rádio não dá, não sai grande coisa.