O site da Renascença usa cookies. Ao prosseguir, concorda com o seu uso. Leia mais aqui.
Nota de Abertura
A+ / A-

Eutanásia

31 jan, 2017 • Opinião de Nota de Abertura


É sempre importante sublinhar a nossa posição sobre o direito à vida. E portanto, contrária à eutanásia.

Inicia-se agora o debate parlamentar sobre a eutanásia.

Mesmo numa rádio com a identidade e a transparência da Renascença, é sempre importante sublinhar a nossa posição sobre o direito à vida. E portanto, contrária à eutanásia.

De resto, como lemos na Constituição da República Portuguesa (artigo 24), a vida humana é inviolável.

Não se trata de prolongar deliberada e artificialmente a vida. Mas de proteger a vida contra toda a espécie de abusos. Venham eles da sociedade ou resultem do desespero momentâneo de uma pessoa ou de uma família.

Dizemo-lo com a tranquilidade de quem respeita as regras do pluralismo informativo. Como, aliás, sempre fizemos e sempre faremos. Mas sem esconder a posição da Renascença num debate que deve ser sereno, aprofundado e verdadeiramente esclarecedor.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Roberto
    06 fev, 2017 Lisboa 15:14
    As eleições na Holanda em Março vâo ter como pano de fundo a eutanásia.Pesquisem na net--idosos fogem da Holanda com medo da eutanásia e refugiam-se em asilo alemão- tirem as conclusões q quiserem.Se a extrema direita ganhar n digam q é efeito Trump.
  • João Galhardo
    01 fev, 2017 Lisboa 19:16
    No debate dos «Prós e Contras» realizado pela RTP, vimos a nossa sociedade dividida em relação a este tema. Pareceu-me que a opinião final do enfermeiro foi a mais razoável. Devemos consultar os pacientes que se sentem preparados para morrer. Devemos ir ter com eles e ouvir o que querem fazer. As piores opiniões vieram precisamente daqueles que dizem defender a vida. Falavam muito da vida, mas esqueceram-se daqueles que estão em estados terminais e que não querem continuar a viver, devido a sofrimentos e porque já não existe mais esperança. A pior das opiniões é julgar a eutanásia como assassínio (opinião que ainda existe). Numa sociedade moderna e progressista, esta última opinião é totalmente posta de parte.
  • Abolicionista
    01 fev, 2017 Lisboa 14:39
    A pena de morte foi abolida em 1867 ,reinado D.Maria e introduzida parcialmente em em 2007 e se esta medida for á frente reforçada em 2017-2018 Alegadamente para uns a economia estava travada pela peste grisalha para outros a eutanásia é a solução.
  • ALETO
    01 fev, 2017 Lisboa 13:25
    Pior que a eutanásia, são as políticas de direita que matam pessoas, através do suicídio e doenças crónicas. Quantos se suicidaram durante a governação de Passos Coelho, da austeridade sobre a austeridade e da negação às pessoas de políticas sociais e justas? Estas políticas são defendidas por pessoas que votam no PSD e CDS-PP e que nestes debates aparecem a defender a vida. É o cúmulo da hipocrisia.
  • António Costa
    01 fev, 2017 Cacém 11:06
    Pior ainda que a Eutanásia, são as pessoas que são assassinadas sem o terem pedido. Estou a falar das Leis que incentivam e promovem a "execução" e o homicídio daqueles que pensam de modo diferente. Mas essas Leis como tem o "carimbo de religiosas" parece já não incomodar as "hierarquias" religiosas....a Direita mostra grande compreensão pelos crimes cometidos em nome dela (quando não os ignora ostensivamente). A Esquerda faz Exatamente o mesmo que a Direita, o mesmo. E ao que parece as "hierarquias" religiosas procedem do mesmo modo ( os culpados são sempre os mesmos "terroristas", que parecem ter vindo de outro planeta ). O problema é que o chamado "Antigo Testamento" não é mais do que uma "aberração" com versões modernas como o "Mein Kampf". E isso é que as grandes religiões fingem não ver. Não estou a dizer nada de novo e as pessoas que já defenderam estas ideias foram "aniquiladas", numa sangrenta guerra, há uns séculos atrás.
  • João Lopes
    01 fev, 2017 Viseu 09:00
    A eutanásia e o suicídio assistido são diferentes formas de matar. Os médicos e os enfermeiros existem para defender a vida, não para matar nem serem cúmplices do crime de outros
  • Alexandre
    31 jan, 2017 Lisboa 20:19
    Em vez de tratar este tema, trazendo a religião e a moral, que tal ouvir e conhecer alguns dos pacientes que pedem a eutanásia? Alguns dos casos são de verdadeiro sofrimento acumulado e de muito desespero que os leva a pedir para que o médico acabe definitivamente com as dores e a vida. Se trouxerem a religião para este debate, eu trago comigo a literatura; mais precisamente, o segundo volume da obra de Roger Martin du Gard, «Os Thilbaut». Leiam o segundo tomo desta obra que trata do mesmo tema, com profundidade.
  • José
    31 jan, 2017 Porto 16:37
    Faço votos para que, aqueles que tendo conhecimento do triste fim a que isto nos vai levar, tenham o descernimento para não permitir que a consciência das pessoas seja moldada ao sabor do radicalismo galopante que se infiltrou pelas brechas da falta de amor. Sob o nome de "eutanásia" está a alienação da vida. Sob o disfarce da dignidade na morte, está o direito a matar. Como poderei eu aceitar que um médico me faça uma intervenção cirurgica se ele me pode tirar a vida?! Quando estiver na hora da minha dor e sofrimento, é esta a resposta que a Humanidade tem para mim? Já está tudo escrito...Lucas 23:29 "Jesus, voltou-Se para elas e disse-lhes: «Filhas de Jerusalém, não choreis por Mim, chorai antes por vós mesmas e pelos vossos filhos, pois dias virão em que se dirá: “Felizes as estéreis, os ventres que não geraram e os peitos que não amamentaram”. Façamos com que esses dias não sejam para já. Eu não estou preparado...