O site da Renascença usa cookies. Ao prosseguir, concorda com o seu uso. Leia mais aqui.
Nota de Abertura
A+ / A-

Os exemplos de Guilherme Pinto, Daniel Serrão e Mário Soares

09 jan, 2017 • Opinião de Nota de Abertura


Homens como eles são um exemplo para o presente e o futuro de Portugal.

Os primeiros dias deste ano ficarão assinalados pela morte de homens que marcaram a vida de Portugal. De forma diferenciada é certo, mas todos merecedores do nosso reconhecimento: Mário Soares, Daniel Serrão, Guilherme Pinto.

Em comum, todos eles serviram a causa pública, um conceito que tende a desaparecer. Na verdade, o que existe cada vez mais é a consciência de uma corrupção normalizada, a certeza de que os jogos de interesses dominam e a convicção de que são cada vez menos aqueles que assumem o risco de servir o bem comum.

Talvez por tudo isto, passem desapercebidas algumas decisões que são a excepção que confirma a regra. Semanas antes de morrer, Guilherme Pinto entregou uma carta de renúncia ao seu mandato autárquico. Invocou motivos pessoais e deixou palavras que evocam honra no servir e a certeza de que o povo merece um Presidente a tempo inteiro e não alguém diminuído nas suas capacidades físicas.

Assumir a doença não é uma novidade nos dias que correm. Mas falar no direito que todos merecemos de que quem nos governa o faça com honra e a tempo inteiro é uma lição que não pode ser ignorada.

Guilherme Pinto não precisa de ser enaltecido. Mas podermos falar deste homem e da obra que deixa feita é uma inspiração para gerações mais novas, que irão continuar à frente dos destinos de juntas de freguesia e de câmaras municipais, locais onde se vive na prática, a teoria politica tão bem esgrimida em campanhas eleitorais.

Homens como Mário Soares, Daniel Serrão e Guilherme Pinto são um exemplo para o presente e o futuro de Portugal.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • mara
    30 ago, 2017 Portugal 13:15
    Indignada me confesso, com tudo o que leio e vejo neste Portugal que tanto amo, infelizmente já não se distingue e elogia o BEM, hoje enaltece-se tudo o que Portugal os seus valores e continua a destruí-los, Estou triste, muito triste e desiludida...
  • Indignada
    10 jan, 2017 Fig. Foz 17:18
    Lamentavelmente, o espírito democrático da RRenascença é semelhante à do MSoares..., basta fingir! Depois, pela calada os censores sem rosto, abafam as verdades, pois são incómodas. Considerei à dias aqui, que MSoares e o Prof. Daniel Serrão estavam nas antípodas, pois enquanto o socialista defendia e legalizou a matança de Seres Humanos=aborto nas clínicas de extermínio, o Homem da ciência, honesto e coerente, defendia a Vida Humana desde o momento da concepção até à hora da morte natural. Porquê confundi-los? Haja respeito pelos portugueses, pelos Direitos Humanos a começar no Direito à Vida! Nada de censura, certo?
  • FM.
    09 jan, 2017 gaia 19:51
    TRÊS BALUARTES DO NOSSO PORTUGAL:AO SERVIÇO DA VIDA,AO SERVIÇO DO POVO E AO SERVIÇO DA PÁTRIA.PORTUGAL ESTÁ DE LUTO.PAZ ÀS SUAS ALMAS.