|
Francisco Sarsfield Cabral
Opinião de Francisco Sarsfield Cabral
A+ / A-

​Dúvidas sobre o Novo Banco

09 jan, 2017 • Opinião de Francisco Sarsfield Cabral


A dificuldade em vender o Novo Banco levanta a suspeita de ele ter mais “buracos” do que se pensava.

Criado há dois anos e meio, com os activos bons de BES (os tóxicos foram para o “banco mau”), o Novo Banco não está fácil de vender. Más notícias para nós, contribuintes, que teremos de acabar por pagar uma eventual venda a baixo preço e, ainda mais, uma provável nacionalização do Novo Banco, que precisa de um aumento de capital – que, nesse caso, virá do Estado.

Sobretudo na Europa, a banca atravessa uma fase difícil, para a qual contribuem, entre outros factores, as baixas taxas de juro. Depois da Itália, Portugal é o país da UE onde o sector bancário está mais frágil. Até porque o mercado português é pequeno.

Mesmo assim, surpreende que um banco com um tão grande número de clientes, nomeadamente pequenas e médias empresas, se revele pouco atractivo a eventuais compradores. O que levanta a dúvida sobre o verdadeiro peso do crédito malparado do Novo Banco, sem falar dos activos não afectos ao negócio bancário e que não podem ser levados para o “banco mau”.

Será que os números divulgados sobre esta matéria, quanto ao Novo Banco e a outros bancos, se revelam demasiado optimistas?

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • MASQUEGRACINHA
    09 jan, 2017 TERRADOMEIO 18:08
    A mim, o que me surpreende mesmo, mas mesmo, é que ainda haja alguém que lá mantenha o dinheiro... devem ser infelizes enredados em créditos, sem escapatória possível, ou emigrantes analfabetos funcionais, que conhecem os "banqueiros" da agência da terrinha natal desde pequenininhos, são gente de confiança, pois. Sei do que falo, sei o que vejo e ouço nesta pequena terrinha onde habito. De facto, a situação é esquisita: uns indignando-se com o "vexame", outros achando que é a proposta "preferencial", o Riciardi a querer a nacionalização (transitória, nada de confusões com vermelhices), o risco sistémico regressa envolto em nevoeiro... Vamos então pondo as barbas de molho, não é?
  • Alberto
    09 jan, 2017 Cascais 14:15
    A culpa é da tranmp...