O site da Renascença usa cookies. Ao prosseguir, concorda com o seu uso. Leia mais aqui.
Em Nome da Lei
O direito e as nossas vidas em debate. Sábado às 12h, com repetição domingo às 0h
A+ / A-
Arquivo
Em Nome da Lei - economia paralela - 19/11/2916
Em Nome da Lei - economia paralela - 19/11/2916

Andam quase 50 mil milhões à solta

19 nov, 2016


Fazem parte de uma economia paralela que, se pagasse impostos, deixaria Portugal sem défice e teria evitado o “enorme aumento de impostos”.

Ninguém sabe donde saem nem a que bolsos vão parar os quase 50 mil milhões de euros que fogem ao fisco e à Segurança Social.

Esta economia não registada pela contabilidade nacional inclui várias realidades, nem todas igualmente perversas. A menos má é a chamada economia informal – o biscate, por exemplo.

Mas é sobre a economia declarada abaixo do seu valor real e a economia ilegal, que resulta de actividades ilícitas, pelos fins ou pelos meios usados, que o programa deste sábado se debruça mais.

São convidados Óscar Afonso, professor na Faculdade de Economia do Porto e autor de um estudo do Observatório de Economia e Gestão da Fraude, o advogado fiscalista Pedro Marinho Falcão e o deputado do PS Fernando Anastácio, membro das comissões do Orçamento e da Transparência.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • fanã
    19 nov, 2016 aveiro 19:11
    Se andassem menos ou nenhuns corruptos e vigaristas da alta a solta, não estaria a economia do Pais neste estado. Mas esses últimos sabemos quem são. Os lobos não se comem entre eles !
  • RC Victor
    19 nov, 2016 Lx 14:49
    Enquanto o confisco obsessivo, ditatorial e desajustado sobre a economia (trabalho e riqueza produzida) existir, cada vez haverá mais vontade de fuga e economia paralela, só não vê isto quem não quer ou é burro. Ninguém está interessado em criar riqueza e desenvolver a economia para que lhe sejam confiscados 60% ou mais, a não ser os que parasitam à custa disso !