|

 Casos Ativos

 Suspeitos Atuais

 Recuperados

 Mortes

Renascença Reportagem
O espaço de reportagem da Renascença. Segunda depois das 13h.
A+ / A-
Arquivo
Web Summit em Lisboa. Uma ideia vencedora? - 15/11/16 - Teresa Abecasis
Web Summit em Lisboa. Uma ideia vencedora? - 15/11/16 - Teresa Abecasis

Web Summit em Lisboa. Uma ideia vencedora?

15 nov, 2016 • Teresa Abecasis


Mais de 50 mil pessoas estiveram em Lisboa para a Web Summit, uma espécie de mercado que mistura ideias, tecnologia e negócios, o maior do género na Europa. Terá Lisboa convencido Paddy Cosgrave? É tempo de fazer um primeiro balanço e saber como aproveitaram as empresas portuguesas esta cimeira.

Clique em cima para ouvir a reportagem


Veja também:


A Web Summit agitou as ruas da capital por uns dias, mas o que fica depois da cimeira? Ao longo de quatro dias, entre 7 e 10 de Novembro, a Renascença acompanhou os momentos mais importantes, na rádio e no online, uma cobertura que pode rever aqui.

Sete "start-ups" portuguesas para acompanhar depois da Web Summit
Sete "start-ups" portuguesas para acompanhar depois da Web Summit

Depois desta primeira edição em Lisboa, estão garantidas pelo menos mais duas edições da Web Summit por cá.

Como é uma Web Summit por dentro?
Como é uma Web Summit por dentro?

Há ainda mais um número que vale a pena fixar: no Parque das Nações estiveram pessoas vindas de 166 países, o que, na prática, quer dizer de quase todos os países do mundo (inscritos nas Nações Unidas são só mais 27 países, 193 ao todo).

Farfetch. A primeira “unicórnio” portuguesa recruta na Web Summit
Farfetch. A primeira “unicórnio” portuguesa recruta na Web Summit
Veja o "pitch" destes novos serviços online. Podem ser as próximas "killer apps"
Veja o "pitch" destes novos serviços online. Podem ser as próximas "killer apps"
Marcelo sobre Web Summit. Foi "um sucesso espectacular"
Marcelo sobre Web Summit. Foi "um sucesso espectacular"
“App” portuguesa promete revolucionar transferências online de dinheiro
“App” portuguesa promete revolucionar transferências online de dinheiro
Futurologia na Web Summit. Esta "app" antevê o mundo com Trump Presidente
Futurologia na Web Summit. Esta "app" antevê o mundo com Trump Presidente
O "problema técnico" de Cosgrave e o inglês de António Costa
O "problema técnico" de Cosgrave e o inglês de António Costa
Tópicos
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Daniel
    15 nov, 2016 Lisboa 19:36
    Ao contrário do que alguns que ignoram a realidade possam dizer (que isto "não traz nada"), basta ver o evoluir das startup Portuguesas e a sua valorização no último ano, e comparar com o desenvolvimento da mesma realidade de startups em Dublin e a sua (des)valorização. Em termos de ranking Lisboa era previsto ter ficado para lá do top 10 (25) e no entanto este ano saltou 20 lugares para ficar em 5º lugar, à frente de Dublin e somente atrás de Berlim, Londres, Amsterdão e Barcelona. Junte-se a isso o investimento já garantido da Second Home, Impact Hub, Factory mais umas quantas que vêm acentar arraiais para Lisboa, que são somente das maiores incubadoras de Londres ou Berlim... isso denota a capacidade e potencial de crescimento (que já se faz sentir) de Lisboa no aspecto de startups e seu ecosistema. O facto de agora haver investidores a virarem a cabeça na direcção de Lisboa é já algo enorme, saltou-se cidades como Dublin, Estocolmo e muitas outras que se achava terem mais hipóteses do que Lisboa, tudo somente porque o Web Summit veio tornar-se adulto em Lisboa.
  • Martins
    15 nov, 2016 LX 14:38
    Muito provincianismo na interpretação desta iniciativa. Existem N eventos como este no mundo inteiro. Ninguém espera que por causa de um evento destes haja mudanças significativas no status quo de um país. É bom para o negócio do turismo (como sabem os operadores de cidades como Las Vegas). Voltando ao WS e às edições anteriores na Irlanda, não me parece que tenham alterado grande coisa no panorama empresarial do país. Aqui em Portugal toda a gente perde a noção da realidade quando vê uma coisa destas. Inclusivé falaram mais uma vez naquela velha ideia bafienta do Silicon Valley da Europa...Não há paciência. Portanto, foi óptimo numa perpectiva de hotelaria e turismo, mas em relação ao resto o resultado é de de qualquer evento deste género. Novos contactos, novos negócios, mas não mais do que isso. Nota: falou-se muito de startups (é mais in usar o termo inglês). Houve alguém que se referiu que Portugal deveria ser um país de pequenas novas empresas tecnológicas (startups). Têm a certeza? Já houve a ideia dos Clusters? Lembram-se?