O site da Renascença usa cookies. Ao prosseguir, concorda com o seu uso. Leia mais aqui.
A+ / A-
Reportagem

​O sismo Trump foi sentido em Lisboa. "Gostava de poder dizer à minha filha que estas coisas não acontecem"

09 nov, 2016 • Teresa Abecasis


Deste lado do Atlântico, a reacção dominante ouvida pela Renascença nas ruas da capital é: surpresa, desilusão, medo. "Estamos lixados."


Miguel Martins e José Messias, ambos na casa dos 20 anos, tomam o pequeno-almoço numa esplanada junto ao Campus de Justiça, no Parque das Nações, Lisboa. Ficaram acordados a noite toda e estão a precisar de café.

"Estamos lixados", diz Miguel. Tem dificuldade em encontrar outras palavras para descrever a surpresa com que foi acompanhando os resultados das eleições norte-americanas. Seguiu tudo em directo no Reddit, uma das maiores comunidades “online”. Tenta outra vez: "Estou desiludido por uma superpotência estar nas mãos de uma pessoa que parece tão incompetente".

"É esperar pelo pior", ajuda José. Miguel tenta encontrar uma explicação: "Se calhar, estamos num tempo de alterações sociais, as pessoas estão fartas e querem mudar, mas nem sempre escolher o melhor.”

Teresa Serra, oficial de Justiça, 49 anos, está a caminho do trabalho e ainda não sabe de nada. Damos-lhe a notícia. Não acredita. "[Trump] É uma aberração, estou estupefacta, sinto medo".

A surpresa é geral, mas tem sabor requentado para Frederico Tavares. "É horrível, estou escandalizado, tal como com o [resultado do] Brexit", confessa o técnico de pós-produção de áudio de 29 anos. Trabalha na zona do Parque das Nações e toma o pequeno-almoço sozinho numa esplanada. "Acho que a Hillary era uma candidata decente, no mínimo. Este é deplorável, para utilizar a expressão da Hillary.”

Quem é Donald Trump, o novo Presidente dos EUA
Quem é Donald Trump, o novo Presidente dos EUA

"Preocupa-me bastante”, admite Frederico. “Tenho uma filha pequena. Este tipo de resultados é daquelas coisas que gostava de dizer que não acontecem". Lamenta o tipo de discurso utilizado pele recém-eleito Presidente norte-americano, mas conclui: "Pelos vistos, este tipo de discurso ganha eleições".

Primeiro estranha-se

Numa mesa próxima, Mafalda Maldonado e Paulo Gonçalves partilham o sentimento de surpresa, tal como quase todas as pessoas entrevistadas pela Renascença. "Estava convencida de que ganhava a Hillary. As ideias dele são estranhas, mas pode ter sido só estratégia para a campanha", diz a gestora de contas.

Paulo utiliza a mesma palavra: também "estranha" o resultado das eleições. Mas tentam não dramatizar. "O discurso [de vitória] dele foi conciliador", diz Paulo. "Eu acho que o mundo está a mudar, para o bem ou para o mal, não sei", completa Mafalda.

Rui Gouveia e Isabel Gonçalves, engenheiros informáticos, também procuram explicações para o resultado. "Não estávamos nada à espera. O discurso foi mais suave. Pode ser que não seja assim tão mau como toda a gente estava à espera", analisa Rui.

"Acima de tudo, espero que os políticos percebam que a forma como sempre fizeram política leva a uma descrença enorme", remata.

Hillary Clinton, a política experiente que ficou às portas da Casa Branca
Hillary Clinton, a política experiente que ficou às portas da Casa Branca

Isabel diz que as pessoas perderam o interesse pela política e arrisca: "As pessoas não têm consciência das pessoas em quem estão a votar".

Rui enumera um rol de preocupações. Assusta-o "sobretudo o impacto que as decisões de Trump podem ter no resto do mundo. Ele tem uma capacidade nula para as relações externas. Tem especial apetência para as armas nucleares. É conflituoso".

A morte das previsões

Ângela Reis, QA tester (trabalho que consiste em testes de qualidade a software), 32 anos, foi a única pessoa encontrada pela Renascença neste percurso por ruas de Lisboa que não ficou surpreendida com o resultado das eleições.

Apanhada a caminho do trabalho, explica que, tal como os outros, sente-se "desiludida". "Mas não posso dizer que foi uma surpresa. Tenho andado a ler e havia muita gente a apoiar Trump, mesmo aqueles que não pareciam, como os imigrantes".

Mesmo assim, não percebe o que poderá ter atraído os americanos no discurso de Trump. "Não sei porque votam nele. Não sei mesmo”, diz. Mas depois concede: “Ele é um bom comunicador, sabe atrair as pessoas.”

Rui Pacheco, técnico de vendas, resume o que muitas pessoas pensaram esta manhã quando viram os resultados: "É uma desgraça, os americanos passaram-se".

"Eu não queria viver nos Estados Unidos", continua. Sobre o futuro, já ninguém arrisca voltar a fazer previsões. Rui lembra o resultado do Brexit no referendo britânico e remata: "isto está a dar muitas voltas, não sei. Não faço previsões".

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Sim Sim
    09 nov, 2016 Lesboa 14:51
    Parabéns ao Grande Povo Americano que deu mais vez uma lição de democracia à hipócrita e antidemocrática Europa.
  • alfa
    09 nov, 2016 porto 14:50
    Boa tarde senhora Teresa Abecassis. Sismo foi sentido em Lisboa!!!! não entendi bem o que quis dizer. Se está admirada com a vitória de TRUMP, é homem que não nega as origens nem a fortuna pessoal. Não será aquilo que a Europa o baptizou, nem parte da imprensa portuguesa, onde se chegou a dizer que se TRUMP concorresse em Portugal perdia. Deixemos de comentários amorfos e olhemos para a realidade, que é o que a Europa não tem nem consegue encontrar com as cabeças medíocres que tem na sua frente. Veja e relembro lhe a frase do sr Junker sobre o deficit francês!! a França é a França. sem mais comentários, e vamos vira nos para dentro dos nossos espaços, e vamos deixar que os outros seguima o caminho que o povo lhes entregou.
  • Virgilio
    09 nov, 2016 lisboa 14:47
    Quem foram os brutalmente derrotados ,meios de comunicação,sondagens,comentadores com uma. exceçâo rara.Ele foi Camerom,Brexit,Syrisa,Podemos e finalmente EUA.Quem credibilizará a partir de hoje os mídias,as sondagens e os comentadores?Apesar de tudo creio que vâo colocar a cabeça na areia e continuar na mesma senda esquecendo que nunca mais atingirão qualquer nível elevado de confiança.A quebra total de fiabilidade foi atingida.
  • Lição de trump
    09 nov, 2016 dequalquerlado 14:40
    Ainda bem que todos estes comentadores que intencionalmente andaram a falar em toda a campanha só para o mesmo lado e que tentaram ao máximo denegrir o outro candidato viram todos a indiferença do povo. Só prova que os americanos desta vez não se deixaram convencer e que estes tralolós não conseguiram ser mais fortes que a vontade do povo e da mudança. Pena que aqui em portugal o povo se deixe levar por estes comentadores de mda, que só falam a favor de alguns que pretendem o pelouro, mas quanto aos problemas do povo, nem uma palavra. Todos da mesma escumalha. O comentador que aqui escreve " viva a democracia" tem toda a razão.
  • Lição de trump
    09 nov, 2016 dequalquerlado 14:40
    Ainda bem que todos estes comentadores que intencionalmente andaram a falar em toda a campanha só para o mesmo lado e que tentaram ao máximo denegrir o outro candidato viram todos a indiferença do povo. Só prova que os americanos desta vez não se deixaram convencer e que estes tralolós não conseguiram ser mais fortes que a vontade do povo e da mudança. Pena que aqui em portugal o povo se deixe levar por estes comentadores de mda, que só falam a favor de alguns que pretendem o pelouro, mas quanto aos problemas do povo, nem uma palavra. Todos da mesma escumalha. O comentador que aqui escreve " viva a democracia" tem toda a razão.
  • Eborense
    09 nov, 2016 Évora 14:27
    Desde que o BE obteve 10% de votos em Portugal já nada me causa admiração. E acho muita piada aos que estão com um medo terrível do Trump, mas ao mesmo tempo admiram o Putin. Hipócritas!
  • Sim Sim
    09 nov, 2016 Lesboa 14:05
    Um espectáculo degradante o que vimos nas Tvs com os comentadores todos a darem um espectáculo antidemocrático e próprio de um país totalitário, sem respeito pela vontade de um grande povo que é o povo americano!! Vergonha, sim era votar Clinton agora sabemos porquê.
  • Zezao
    09 nov, 2016 Olhão 13:34
    Parabens USA!!
  • antónio
    09 nov, 2016 Lisboa 13:30
    Parabéns!!!! então e as sondagens que andavam a dar a HRC como eleita, e os comentadores politicos na sua "experiencia" a vaticinar que a unica candidata com possibilidades seria a HRC ?........ahahaha foi uma bela chapada na fronha de todos os que andaram a fazer uma campanha vergonhosa a favor de uma candidata corrupta.
  • JOAO VIEIRA
    09 nov, 2016 GRANDE LISBOA 13:06
    PARABENS TRUMP. VIVA A LIBERDADE!