O site da Renascença usa cookies. Ao prosseguir, concorda com o seu uso. Leia mais aqui.
Nota de Abertura
A+ / A-
Nota de Abertura

Não se pode ignorar violência contra cristãos

27 jul, 2016 • Opinião de Nota de Abertura


O medo e a desconfiança começam a instalar-se e erguem-se reacções que podem trazer de regresso tempos indesejáveis.

Temos, diariamente, relatos de violência, sob as mais diversas formas e graus.

Dos mais distintos recantos chegam notícias de gestos criminosos e terroristas, que mancham ruas, espaços de convívio ou até locais de culto. Aliás, a violência contra os cristãos atingiu dimensões que não é intelectualmente sério ignorar.

O medo e a desconfiança começam a instalar-se; e, à boleia destes sentimentos, erguem-se reacções que podem trazer de regresso tempos indesejáveis.

A desvalorização da vida e do outro; a quezília rasteira e permanente; o fanatismo alimentado das mais diversas formas trouxeram-nos aqui: a gestos de barbárie que, de tão desumanos, não são compreensíveis.

A violência é sempre condenável, quer se manifeste na economia, na política, na família, no desporto ou na religião. Exige reflexão sobre as causas e prevenção determinada.

Quem tem nas mãos os caminhos dos povos não pode olhar para o lado e entreter-se em jogos e discursos.

Confiamos-lhes a nossa liberdade e a nossa segurança. É bom que se sintam responsáveis.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Mafurra
    03 ago, 2016 Lisboa 11:29
    Andam a fazer de conta que "não é nada"...
  • Lavínia
    28 jul, 2016 Covilhã 16:38
    Meus senhores, como diz o Papa e subscrevo, a guerra não é de religiões, mas de interesses. Só pode afetar as religiões, na medida em que elas são, em si próprias, uma construção na defesa de interesses inconfessáveis. (Católica incluída).
  • António Costa
    28 jul, 2016 Cacém 07:35
    Neste planeta Terra há de tudo um pouco...já existiram religiões que queimavam vivas crianças de 10 anos à frente dos pais, sacrificadas aos Deuses...dirigentes politicos que eram Deuses "vivos"....dirigentes politicos únicos, representantes de Deus na Terra...E depois apareceu o Cristianismo que Separou Deus de César....Não foi fácil!...Sim, porque os Dirigentes político-religiosos estavam habituados a queimar os opositores politicos vivos! Tinham feito isso durante os últimos milhares de anos! As sociedades de "Base" Cristã acabaram por evoluir para Democracias enquanto nas outras.....vejam como as pessoas fogem em direção aos "paraísos islâmicos" amantes da Paz...