|
Manuel Pinto
Opinião de Manuel Pinto
A+ / A-

​Traficar com o sofrimento dos outros

06 jun, 2016 • Opinião de Manuel Pinto


Vem esta nota a propósito do caso da taróloga que, a uma senhora que se lhe queixava de violência doméstica antiga e reiterada, num dos nossos canais de televisão, lhe receitou que aceitasse a situação e fizesse mimos ao marido.

A publicidade a mezinhas e produtos ‘milagrosos’ e a charlatanice de quem se aproveita das misérias humanas para prometer este mundo e o outro são, diria eu, tão velhas como o próprio mundo. Resultam de um jogo perverso entre a crendice e a exploração do semelhante. Quando estes velhos processos são transferidos para canais de televisão em sinal aberto, introduz-se no circuito um outro factor, que consiste em oferecer aquele jogo em espectáculo.

Vem esta nota a propósito do caso da taróloga que, a uma senhora que se lhe queixava de violência doméstica antiga e reiterada, num dos nossos canais de televisão, lhe receitou que aceitasse a situação e fizesse mimos ao marido [a propósito: o que deu brado nas redes sociais e, por reflexo, na imprensa, foi este episódio; mas o que é preocupante é o conceito e o padrão do próprio programa].

É provável que haja, da parte de alguns dos que buscam expor os seus dramas e sofrimentos na praça pública, um misto de descrença em caminhos mais razoáveis para enfrentar as situações e de um desejo mais ou menos secreto de mostrar e ‘vender’ a própria desgraça. Mas os responsáveis pelos programas são os primeiros responsáveis por esta traficância com o sofrimento dos outros, ainda que nos caiba, enquanto cidadãos, o papel de manifestar o protesto e a indignação.

E isto porque as práticas abusivas de alguns canais, vistas através de casos dos últimos anos, têm contornos muito mais vastos: passam igualmente pela pressão (ainda que a desacelerar) das chamadas de valor acrescentado; pelas práticas enganosas de alguns concursos, que dão a entender aos espectadores que os prémios são em dinheiro, quando isso não acontece; ou ainda pela publicidade a produtos de saúde que vendem gato por lebre e que, apesar da denúncia de entidades credenciadas, continuam a ocupar os blocos de anúncios.

Não tenho dúvidas de que estes e outros procedimentos abusivos têm de encontrar pela frente instâncias atuantes, quer no plano ético quer no da regulação. Mas entendo que é sobretudo pela acção esclarecida e crítica, individual e coletiva, que se fará sentir aos operadores que, por maiores que sejam as dificuldades económicas, não vale tudo para conquistar audiências.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Hugo Madeira
    06 jun, 2016 Lisboa 22:20
    Que as tarólogas (o que quer que isso seja) deste país queiram continuar com estas charlatanices, é uma questão de gostar de enganar o outro e sempre houve gente com feitio pra isso e que não tem pudor de ganhar a vida com a angústia e o desespero do próximo. Coisa diferente é um canal de televisão dar cobertura a estes engodos, a uns fulaninhos e fulaninhas a quem ninguém pede responsabilidade pelo exercício da profissão. Podem dizer ou fazer o que mto bem lhes apetece que ninguém os chama à pedra nem lhes pede indemnização. Como é que isto é possível? Só numa terra de totós.
  • Pies
    06 jun, 2016 Lx 21:01
    ...faço minhas as suas palavras caro Manuel Pinto.