Opinião de Luís António Santos
A+ / A-

O barulho causado por um jornalismo panfletário

11 mai, 2016 • Opinião de Luís António Santos


No barulho que se criou - e que deliberadamente se ampliou quando, por exemplo, se filmou, com óbvia combinação prévia, através de um drone, uma inscrição no pátio de um escola - muito facilmente se perdeu o contacto com a verdade e, sobretudo, com a missão essencial do jornalismo.

Um dos principais efeitos de um jornalismo debilitado é um fluxo informativo mais pobre e mais dependente da lógica ‘ele-disse-isto-e-tu-o-que-dizes?’ do que de trabalho de verificação e enquadramento autónomos. No fundo, um sector dos média frágil pouco mais consegue do que dar ‘tempo de antena’ a vozes que se confrontam, deixando de lado (por falta de meios, desânimo ou cedência a interesses que ajudam a pagar contas) leituras mais largas e plurais da realidade.

O que, por estes dias, acontece em torno de uma decisão recente do ministério da Educação é um exemplo bem claro disto mesmo. Um número significativo de órgãos de informação nacionais optaram por ‘fazer render’ até à exaustão o filão informativo do protesto organizado de algumas empresas privadas que operam no sector ao mesmo tempo que se iam esquecendo de explicar aos leitores, ouvintes ou telespectadores o que está realmente em causa.

No barulho que se criou - e que deliberadamente se ampliou quando, por exemplo, se filmou, com óbvia combinação prévia, através de um drone, uma inscrição no pátio de um escola - muito facilmente se perdeu o contacto com a verdade e, sobretudo, com a missão essencial do jornalismo.

Foi muito difícil perceber (há, ainda assim, algumas excepções que nos vão ajudando), por entre tanta informação truncada ou ostensivamente falsa e por entre tanta opinião estridentemente apegada a uma ideologia radical de desmantelamento a qualquer preço da escola pública, que as empresas eventualmente afetadas pela tão polémica medida governamental são 80, num universo de 2773 (ou seja, 3 por cento das instituições privadas de Ensino).

Foi igualmente complicado perceber que os contratos de associação são, pela sua natureza, vínculos precários de prestação de serviço – são apenas uma das cinco formas de ligação do Estado ao Ensino Privado e servem para suprir uma dificuldade de serviço público momentânea (não são, por isso, contratos com base nos quais se possam, com honestidade, desenvolver quaisquer estratégias de equilíbrio financeiro de empresas privadas).

O jornalismo precisa, naturalmente, de dar expressão pública a vozes distintas mas não pode correr o risco de ser apenas a sua correia de transmissão. Sejam elas quais forem. O jornalismo deve, sobretudo nos dias que correm, assegurar-nos uma mediação relevante, confrontando declarações políticas com factos concretos e trabalhando de modo próprio para nos ‘mostrar’ a complexidade de cada situação, afastando-se, assim, da adesão a um registo que não faz parte da nossa tradição em tempo de democracia – o de uma ação direta panfletária a favor desta ou daquela ‘causas’.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Zé pagante
    11 mai, 2016 Lisboa 17:56
    Pelo que aqui se escreve, parece que só 3% do ensino privado recebe BENESSES do Estado. De forma directa ou indirecta diga aqui com honestidade, quem não recebe dinheiro, isenções fiscais ou outros benefícios. Só paga impostos nesta BANANAL o TRABALHADOR POR CONTA DE OUTRÉM.
  • JP
    11 mai, 2016 Lisboa 14:08
    SER JORNALISTA É SINÓNIMO DE CONTRA PODER.
  • Joao Semana
    11 mai, 2016 Porto 12:00
    Este Senhor tem toda a razão. Estes 80 colégios tem um contrato precário mas pertencem a gente "fina" e barulhenta que tem pretensões a continuar a a viver as custas do estado. Porque raio tenho de contratar indefinidamente serviços que não preciso só porque os interessados querem ? As pessoas na sua vida fazem o memso.? Não repararam que estes 80 colégios querem ser mais uma PPP mas sem qualquer risco ? Vivemos num país desgraçado
  • JP
    11 mai, 2016 Lisboa 11:28
    Uma pergunta de um português ingénuo. Porque razão os (jornalistas) do expresso e da TVI não divulgam os nomes daqueles que são ou foram pagos para darem (noticias) como aquelas que o autor deste brilhante artigo aqui menciona. Todos sabemos, os que se informam de forma isenta, quem são os jornalistas só falta a confirmação. Já agora digam o nome dos proprietários dos órgãos da CS escrita e não só aliás como a lei determina. O expresso começou cheio de pica e foi perdendo fulgor. O que terá acontecido? O último frete foi aquela intervista ao Durão. Execrável.
  • Carlos Vieira Pinto
    11 mai, 2016 11:25
    Parabens. O Sr.Ministro não diria melhor