Opinião de Manuel Pinto
A+ / A-

O andaime e a casa

09 mai, 2016 • Opinião de Manuel Pinto


O tempo que vivemos satisfaz-se – equivocadamente, a meu ver – com a preocupação em criar consumidores e utilizadores mais ou menos competentes das tecnologias e das redes. Porém, esta hipervalorização das destrezas instrumentais é semelhante a alguém que mete pés ao caminho, mas que não sabe para onde quer ir.

A comunicação humana é uma ponte e, na medida em que o é, ela “tem o poder de criar pontes, favorecer o encontro e a inclusão, enriquecendo assim a sociedade”. Esta é uma primeira proposta da mensagem do Papa Francisco para o Dia Mundial das Comunicações Sociais, que ontem se celebrou, mas cuja riqueza não cabe em um só dia.

A capacidade de escutar o outro é o segundo desafio colocado pela mensagem. Para escutar, não é bastante que a voz e o olhar do outro cheguem até nós, não basta ouvir. A escuta supõe o acolhimento e a partilha.

Estreitamente ligada com a escuta está – e este seria o terceiro ponto a sublinhar - a proximidade enquanto fruto da comunicação. “Uma proximidade que cuida, conforta, cura, acompanha e faz festa”.

Para quem reduz a comunicação à informação ou ao mero uso das ferramentas da comunicação, estamos aqui perante um desafio de enorme alcance cultural e humano. Ligar o que está separado, escutar quem precisa de atenção e aproximar-se dos que andam perdidos e descartados ou são como “lugares mal situados” (como no poema de Daniel Faria) supõe uma aprendizagem que começa em casa e se prolonga ao longo da vida toda. Exige atenção e cultivo permanentes.

Por estes dias, vieram a público resultados de (mais) um estudo que evidenciava quão dependentes estão os mais jovens relativamente aos ecrãs. Para muitos deles, o smartphone é como uma prótese do próprio corpo, manuseado com destreza e sem o qual já não conseguem viver. Há quem se satisfaça com isso, tomando o andaime pela construção. Falta, porém, o mais importante, que é dar sentido e horizonte àquilo que as tecnologias permitem, mas que de per si não garantem.

A pastoral da comunicação social da Igreja carece, entre nós, de um cuidado nesta formação e de um investimento com este horizonte. O tempo que vivemos satisfaz-se – equivocadamente, a meu ver – com a preocupação em criar consumidores e utilizadores mais ou menos competentes das tecnologias e das redes. Porém, esta hipervalorização das destrezas instrumentais é semelhante a alguém que mete pés ao caminho, mas que não sabe para onde quer ir. Cuida de montar os andaimes, mas, em tal azáfama, esquece-se de construir a casa. São precisos e iniciativas que procurem as pessoas que se escondem por detrás dos consumidores.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • António Costa
    09 mai, 2016 Cacém 11:17
    A "fala", a possibilidade de comunicar eficazmente, distanciou o Homem dos outros animais. Foi um salto de Gigante! Mas "escutar", "ouvir" o Outro, isso é uma história muito, muito diferente! Depressa alguns "espertos" perceberam que dominando a arte de falar em público se podia "controlar" sociedades inteiras! Assim na antiga Grécia a Oratória, a arte de falar em público era uma das "disciplinas" das mais importantes. E cedo, aqueles que falavam em nome dos pobres e dos desfavorecidos eram acusados de "conspiração". Acabavam de uma maneira muito simples: na Cruz! Mais perseguidos, do que ladrões e assassinos! E não estou a falar só de Jesus! A Internet, depois deste "curto interregno" de Liberdade, vai ser apenas, mais uma arma, que os grandes e poderosos irão usar, para fazer o que sempre fizeram ao longo dos tempos: explorar o Outro.