O site da Renascença usa cookies. Ao prosseguir, concorda com o seu uso. Leia mais aqui.
Em Nome da Lei
O direito e as nossas vidas em debate. Sábado às 12h, com repetição domingo às 0h
A+ / A-
Arquivo
Em Nome da Lei - 9 Janeiro 2016
Em Nome da Lei - 9 Janeiro 2016

O piropo deve ser crime?

09 jan, 2016


A penalista Conceição Cunha, o jurista André Dias Pereira e os comentadores residentes Luís Fábrica e Eurico Reis debatem a criminalização dos piropos.

Os piropos passaram a ser crime em Portugal, podendo dar pena de prisão até três anos, desde Agosto, no âmbito da transposição de uma convenção internacional, a Convenção de Istambul. A mudança feita no Código Penal passou entre os intervalos da chuva. Nem o PSD entendeu fazer alarde da sua iniciativa, nem os movimentos feministas quiseram fazer-lhe publicidade, por ficar aquém do que pretendiam.

Só recentemente a medida causou polémica nas redes sociais. Há quem a ridicularize e fale em histeria feminina. Mas tudo pode afinal partir de um equívoco, com origem no significado da palavra “piropo”.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.