|
Francisco Sarsfield Cabral
Opinião de Francisco Sarsfield Cabral
A+ / A-

Os custos da reversão na TAP

21 dez, 2015 • Opinião de Francisco Sarsfield Cabral


O Estado terá de investir dinheiro dos contribuintes e as regras de Bruxelas obrigarão a drásticas reduções de rotas, aviões e pessoal. Sem falar da questão da credibilidade.

Disse o primeiro-ministro que o Estado passará a deter 51% do capital da TAP, com ou sem acordo com os seus accionistas maioritários. Mas não falou dos custos.

É certo que o governo anterior vendeu 61% da TAP quando já se encontrava em gestão. Mas se o não fizesse a companhia não teria dinheiro para pagar aos trabalhadores nem para comprar combustível.

Se houver acordo, o Estado terá de investir na TAP dinheiro dos contribuintes, pondo em risco a redução do défice orçamental. E as regras de Bruxelas obrigarão a TAP a drásticas reduções de rotas, aviões e pessoal. Uma mini-TAP, prejudicando o turismo e os emigrantes.

Se o governo de Costa for a tribunal para anular este contrato, a querela demorará anos a decidir. Entretanto, nessa situação de incerteza Pedrosa e Neeleman não colocarão lá mais dinheiro. E caso o Governo ganhe a acção, pesadas indemnizações sairão dos nossos bolsos.

O Governo terá de justificar os previsíveis e enormes custos desta operação para o país e para a própria TAP. Um dos quais será a dificuldade em atrair investimento estrangeiro, por desconfiança num Estado sem palavra.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Antonio Rodrigues
    03 jan, 2016 Viseu 18:11
    Mas que idiotice destes jornalistas tendenciosos. A TAP não tinha dinheiro para pagar salários e nem sequer para comprar combustível. Mas então o que foi feito dos dinheiros que os voos realizam? Porque foi o governo consumar o negócio já fora de tempo real do seu mandato? Por acaso não foi jogada como aconteceu com o BANIF, em que a Tvi se encarregou da propaganda negativa para favorecer o negócio com os donos do Santander? E como todos sabemos, o principal objectivo de Passos e Portas era privatizar o mais possível, e sempre ao desbarato porque deixava vestígios para os interessados no negócio! Uma pergunta? por acaso foi alguém julgado por aquele desfalque de quase 50 milhões provocado pela administração da TAP em 2012?
  • daniel
    21 dez, 2015 Coimbra 18:19
    A TAP é como os Estaleiros de Viana, sendo privatizada vai dar lucro, os trabalhadores terão reconhecimento do seu trabalho. De resto já sabemos como funcionam as empresas públicas.
  • Nekas
    21 dez, 2015 Lisboa 10:34
    A TAP é gerida com vicios,aproveitamentos e em gestão ruinosa sem rentabilidade,terá que reduzir despesas e reduzir pessoal em alguns sitios que façam menos falta,seja quem for o dono,se reverterem o mau e indevido negócio do governo PAF,vai dar altos prejuisos ao estado (contribuintes),nesta altura vale mais deixarem estar como está,só que a esquerda pensa de outra maneira e tendo havido um compromisso é dificil ao Costa voltar atrás,pode dar problemas na estabilidade governamental,quem devia perante as circunstâncias ceder por motivos patrióticos era o BE e o PCP,poupariam muitas guerras, dores de cabeça e prejuisos,o Costa está entalado mas pacipicamente nada pode fazer,o resto tem haver com as culpas e motivos anteriores de má governação ao sabor de intereces capitalistas.
  • Joao
    21 dez, 2015 Porto 10:14
    O COSTA do "poucochinho" sabe lá o que é "palavra" ou amizade ... Tenho pena deste Povo que julga este melhor que o outro - BALELAS ... O "OUTRO" não sabe, mas não tem vícios e tem boa fé. ESTE sabe e tem má fé ...