|
Luís António Santos
Opinião de Luís António Santos
A+ / A-

Tradições que acabam - o ‘Estado de Graça'

25 nov, 2015 • Opinião de Luís António Santos


Há (...) como nunca em outro momento da nossa História em Democracia, uma tendência quase esmagadora para um alinhamento das direções editoriais a uma leitura identificada em traços genéricos com a Direita (absoluta entre as publicações económicas, maioritária entre os generalistas, maioritária nas televisões e nas rádios) e isso percebe-se na enunciação e valorização das dúvidas e na seleção dos comentadores e entrevistados para ‘avaliar a situação política atual’

Sempre que se prepara a entrada em funções de um novo governo dá-se início a algo que costuma descrever-se como ‘um Estado de Graça’. É, por assim dizer, um período com duração mais ou menos indefinida durante o qual tanto corporações de interesses como jornalistas/analistas decidem dar tempo ao Executivo para que se acomode às funções e para que comece a dar andamento a algumas das suas propostas mais emblemáticas.

Como vivemos tempo em que as tradições já não valem o mesmo que valiam, tudo indica que o governo minoritário liderado por António Costa não vai ter acesso a essa benesse habitual.

As corporações não perderam tempo e as organizações sindicais também não. Foi, por um lado, curioso ouvir o dirigente máximo (e há tanto tempo, não é?) da CIP traçar, com linhas a vermelho, as zonas nas quais o governo não vai poder atuar sem a sua oposição, ao mesmo tempo que anunciava (sem apresentar provas e sem que a isso tivesse sido instado) que há já em curso uma ‘fuga de capitais’, e foi, por outro lado, igualmente curioso ouvir o dirigente máximo (e também há tanto tempo, não é?) da Fenprof fazer o elogio de um futuro ministro.

Poder-se-ia dizer que estas movimentações prévias das chamadas forças organizadas da sociedade civil são até um saudável sinal de vigor da nossa cultura democrática. E não andaríamos longe da verdade, naturalmente. Mas poder-se-ia também dizer que o espaço de manobra do executivo - sobretudo no que respeita a medidas que possam por em causa o poder negocial destas forças - fica ainda mais reduzido.

A possibilidade de essa ‘amplitude’ poder, como sempre aconteceu até agora, ser assegurada pelos média é remota. Há, por um lado, como nunca em outro momento da nossa História em Democracia, uma tendência quase esmagadora para um alinhamento das direções editoriais a uma leitura identificada em traços genéricos com a Direita (absoluta entre as publicações económicas, maioritária entre os generalistas, maioritária nas televisões e nas rádios) e isso percebe-se na enunciação e valorização das dúvidas e na seleção dos comentadores e entrevistados para ‘avaliar a situação política atual’. Há, por outro, questões ligadas à propriedade e à gestão financeira das próprias empresas que reforçam dependências não explícitas e pouco saudáveis.

Sem Estado de Graça, o novo governo vai ter que, por um lado, começar a desiludir alguém desde muito cedo e vai ter que conviver com um escrutínio dos média não habitual.
A crispação não acabou. Deverá aumentar e vai, em larga medida, ser fomentada em nome de interesses estratégicos sectoriais. As rupturas sociais e políticas que herdamos de uma governação belicosa não vão desaparecer tão cedo.
Estado de Graça? Nem pensar.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Real filho de Abraão
    26 nov, 2015 Mesopotanea 21:35
    Em democracia, e em verdade , ganha a equipe que consegue mais golos. Em democracia ganha o partido que recebe mais votos para governar e é quem deve governar. Em ditadura governa quem faz golpes de Estado com armas ou sem elas. Quem pensar e disser o contrário é escravo ou cego.
  • Fernando de Almeida
    26 nov, 2015 Porto 00:05
    Resumindo: so' ha' democracia se o PSD e o grupo do irrevogavel estiverem no poder.So' ha' democracia se a Igreja, a CIP a CAP e outros do costume poderem ver os seus interesses satisfeitos. O povo ignorante precisa de ser formatado pelos jornalistas e comentadores de serviço. Quando a esquerda se tem vindo a democratizar e a sujeitar-se ao voto eis que essa "gente" regrediu aos tempos do PREC....depois não se queixem do voto util da DIREITA, sem partido na esquerda e do desprezo que a mesma lhes dedica