|
Luís António Santos
Opinião de Luís António Santos
A+ / A-

Quem nos desvia o Olhar?

14 out, 2015 • Opinião de Luís António Santos


O uso da expressão ‘coligação negativa’ para descrever uma possível aliança entre forças políticas que representam uma maioria considerável dos eleitores foi arma de campanha eleitoral, mas os média desde logo o adoptaram como seu, num gesto no mínimo intrigante.

A presente - quase inédita - discussão política em torno da futura arquitetura de poder em Portugal tem sido retratada pela generalidade dos média nacionais como um momento de instabilidade, como resultado de uma eventual falha no sistema, como uma pausa negativa (e já tivemos até a inevitável entrada em cena dos não-eleitos ‘mercados’ com as suas oscilações que servem de ‘aviso’).

O uso da expressão ‘coligação negativa’ para descrever uma possível aliança entre forças políticas que representam uma maioria considerável dos eleitores foi arma de campanha eleitoral, mas os média desde logo o adoptaram como seu, num gesto no mínimo intrigante.

Esta postura quase esmagadora nos média de um entendimento sobre a realidade social e política do país desenquadrada do sentimento maioritário resulta, em grande medida, de uma mudança estrutural na propriedade de algumas das principais empresas (o que também ajuda a explicar, por exemplo, a pouca atenção que se dá aos movimentos de protesto em Angola) mas resulta, também, de uma opção editorial de aproximação a algo que se chama o ‘jornalismo de causas’.

Até agora, se nos mantivermos na área da política, esse território era ocupado por blogs e por publicações como o Povo Livre, a Ação Socialista, o Avante, ou o Diabo, por exemplo, com um discurso que não tinha transposição (pelo menos direta) para os restantes média. Com a entrada em cena de uma publicação online nova, com orientação política e estratégica bem determinada, o tal ‘discurso de causas’ começou a ser aceite (e replicado) pelos demais, a tal ponto que, com enorme frequência, ativistas dessa visão ostensivamente radical são chamados como comentadores (há dias, num programa na RTP3, estavam dois deles num grupo de quatro pessoas).

Ora, o risco de os chamados média tradicionais - que, na sua grande maioria (pelo menos em sede de Estatuto Editorial) ainda se apresentam como isentos agregadores de uma pluralidade de opiniões - escorregarem gradualmente para um agendamento editorial próximo do assumido por publicações radicais de ‘jornalismo de causas’ é duplo: há, por um lado, uma perda de contacto com o sentimento da maioria dos leitores/ouvintes/telespectadores e há, por outro, um afunilamento perigoso da imagem que se dá do mundo.

O ‘jornalismo de causas’ terá o seu lugar num ambiente mediático diverso, enquanto espaço de agendamento alternativo, enquanto proposta de olhar comprometido sobre um qualquer tema. Mas, numa democracia, esse lugar nunca pode deixar de ser marginal. O que temos hoje nos média nacionais - com a desproporcionada importância que parece estar a ser dada a um espaço online radical - é pouco saudável e compromete (ainda mais) a imagem do Jornalismo.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Parabéns
    15 out, 2015 Lx 15:45
    Parabéns pelo excelente artigo! Ao contrário de outros que a RR publica, totalmente tendenciosos, este espelha a realidade dos nossos dias. Muito bom!
  • Maria da Assunção
    14 out, 2015 Lisboa 10:47
    A Renascença, tirando a parte do Bola Branca, sempre foi um média arejado, como se vê com este artigo que convive com outros defendendo outras ideias (e o Sarsfield a ser quase voz oficial do poder económico que manda em Portugal e na Europa). Bem hajam por algumas coisas boas que vão mantendo.
  • Joaquim baptista
    14 out, 2015 Lisboa 10:19
    muito bom e assertivo .Parabéns