O site da Renascença usa cookies. Ao prosseguir, concorda com o seu uso. Leia mais aqui.
Opinião de José Luís Ramos Pinheiro
A+ / A-
José Luís Ramos Pinheiro

Entre a barbaridade da guerra e o calvário da fuga

02 set, 2015 • José Luís Ramos Pinheiro • Opinião de José Luís Ramos Pinheiro


Obrigados a escolher entre a calamidade da guerra e o calvário da fuga, quem, de entre nós, não procuraria salvar-se?
A vida desta criança não vale mais nem menos do que milhares de vidas já perdidas, desde que multidões procuram desesperadamente fugir da guerra da Síria, do Iraque ou de outros países da região.

Mas as imagens de (mais) uma criança afogada numa praia da Turquia, na sequência de (mais) um naufrágio de uma embarcação de refugiados, comprovam nesta vida perdida, a medida do desespero destas pessoas. De outro modo, como explicar que um pai ou uma mãe aceitem correr riscos desta dimensão para a vida de uma criança?

Ao fugirem da morte, estas pessoas jogam a própria vida e muitas delas encontram mais depressa aquilo de que fugiam. Mas a dureza da realidade que vivem há meses (ou anos) a fio, como que as condena a estas viagens de vida ou de morte. Não se resignando, morrem quando se tentam salvar.

Enquanto no terreno se combate e nas chancelarias se hesita há milhares de pessoas em risco iminente. A prioridade deve ser dada aos verdadeiros refugiados – aqueles que fogem das zonas de conflito, onde grupos armados se entregam não apenas à guerra, mas sobretudo a chacinas de civis indefesos e a outros actos da mais pura barbaridade.

Claro que na Europa não cabem todos os que pretendem entrar. Serão necessários compromissos e algumas regras.

Mas a primeira regra é salvar o outro, ainda que diferente e desconhecido, estendendo-lhe a mão, enquanto (ainda) for tempo.

Obrigados a escolher entre a calamidade da guerra e o calvário da fuga, quem, de entre nós, não procuraria salvar-se?
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.