O site da Renascença usa cookies. Ao prosseguir, concorda com o seu uso. Leia mais aqui.
Nota de Abertura
A+ / A-
Nota de abertura

Por uma profunda cultura de vida

30 abr, 2015 • Nota de abertura • Opinião de Nota de Abertura


Num hospital de Lisboa, está uma menina de 12 anos, grávida de cinco meses. A gravidez é o resultado da violação pelo padrasto. Trata-se de uma situação dolorosamente íntima, mas, com a serenidade possível, é necessário separar estas duas realidades: gravidez e violação.
Nos hospitais, o que move, diariamente, milhares de homens e mulheres é a defesa da vida – a vida de um bebé por nascer, de um idoso ou de um moribundo.

Mas os profissionais da vida também são confrontados com indesejáveis dilemas.

Num hospital de Lisboa, está uma menina de 12 anos, grávida de cinco meses. A gravidez é o resultado da violação pelo padrasto.

Trata-se de uma situação dolorosamente íntima, mas, com a serenidade possível, é necessário separar estas duas realidades: gravidez e violação.

No que respeita à violação, o maior escândalo é saber-se que a imensa maioria das agressões sexuais a bebés e crianças acontece dentro da falsa protecção das suas casas, na discrição de uma porta fechada e no silêncio cúmplice e continuado de tantos adultos. Eis uma realidade que importa não ignorar.

A gravidez, essa, gera uma outra vida, uma vida própria de alguém inocente que para desenvolver-se precisa do corpo daquela que já é mãe. De facto, aquela menina já é mãe daquele bebé que uma simples ecografia pode indicar se é menino ou menina.

A Associação Apoio à Vida, instituição que a Renascença acompanha desde o seu início, já colocou à disposição desta menina o seu Centro de Acolhimento Temporário e promete ajudá-la de forma a evitar a interrupção da gravidez.

Resta uma pergunta difícil: se um tal apoio não for aceite, quem vai acolher e acompanhar seriamente esta menina de 12 anos, violada, grávida durante cinco meses e afectada por decisões tão violentas?

E resta também uma conclusão: sem uma profunda cultura de vida não se previnem outras violações de outras crianças e o aborto poderá continuar a matar vidas por nascer.
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.