O site da Renascença usa cookies. Ao prosseguir, concorda com o seu uso. Leia mais aqui.
Nota de Abertura
A+ / A-
Nota de abertura

A vitória do Syriza

26 jan, 2015 • Nota de abertura • Opinião de Nota de Abertura


É compreensível que as respostas mais radicais encontrem eco nas sociedades sem esperança nem desígnio de futuro.
Quando se analisam as últimas notícias sobre a Grécia parece que a crise fica a dever-se à austeridade.

Mas não é assim. A crise na Grécia deve-se a uma gestão irresponsável – ainda mais grave do que em Portugal - dos dinheiros públicos e das contas do Estado. Foi aí que tudo começou. A austeridade não foi a causa, mas uma consequência.

Acontece que a austeridade só por si não resolve tudo; é apenas um remédio que se não for acompanhado de reformas e de uma visão de futuro deixa as pessoas entregues à angústia, ao sofrimento ou ao desespero.

Por isso, é compreensível que as respostas mais radicais encontrem eco nas sociedades sem esperança nem desígnio de futuro.

É neste terreno que podem crescer alternativas de extrema-esquerda, como o Syriza, ou de extrema-direita, como o movimento neonazi, Aurora Dourada, que é agora a terceira força política na Grécia; já para não falar do que se está a passar em França, com a ascensão da Frente Nacional.

Estes resultados aumentam também a responsabilidade dos partidos que têm governado a Europa: demasiado fechados no casulo burocrático do poder e sem ideias que projectem o futuro.

Agora será necessário coragem e bom senso. Haverá seguramente cedências europeias, mas tudo será pouco para corresponder à promessa do Syriza de acabar com a austeridade. Por isso, ou o Syriza acaba por deixar cair boa parte das promessas que fez, enquanto partido de protesto; ou é a Europa que acaba por deixar cair a Grécia.

Mas de Atenas vem também uma excelente lição. Menos de 24 horas depois dos resultados eleitorais, já havia uma coligação formada e um primeiro-ministro empossado. Em Portugal – pasme-se - as leis eleitorais só permitiriam a posse cerca de um mês, após as eleições.
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.