O site da Renascença usa cookies. Ao prosseguir, concorda com o seu uso. Leia mais aqui.
Opinião de José Luís Ramos Pinheiro
A+ / A-
José Luís Ramos Pinheiro

Acreditas em quê?

09 jan, 2015 • José Luís Ramos Pinheiro • Opinião de José Luís Ramos Pinheiro


O vazio de valores abre uma enorme brecha cultural nas sociedades europeias.
Nestes dias de bruma encontrei um velho amigo meu. Triste com os trágicos acontecimentos de França discorreu abundantemente sobre a necessidade de conciliar tolerância e firmeza, sonhando com sociedades em que possam conviver diferentes olhares sobre o mundo. Mas confessava-se desiludido pelo estado a que a Europa chegou, com uma geração de europeus anestesiada pelo consumo e pelo bem-estar.

Fiz-lhe então duas perguntas: E tu confias em quem? Em que é que acreditas?

Como resposta obtive o silêncio. Mas o olhar, atónito, dizia tudo. Continuei a perguntar: nalguma ideologia, talvez numa filosofia? Acreditas em Deus? Numa confissão religiosa? Nas instituições políticas ou sociais? Nos dirigentes? Confias na economia, nos mercados? Na ética, nalguns valores?

O problema é esse. As nossas sociedades agarraram-se ao imediato e àquilo que lhes permite fazer aquilo que dizem ser a "sua vida" ou apenas a "sua vidinha". Mas muitas pessoas – demasiadas pessoas – tornaram-se cépticas, relativizam tudo ou quase tudo, não acreditam em quase nada e por isso não confiam.

Este vazio de valores abre uma enorme brecha cultural nas sociedades europeias, onde os radicalismos, das mais variadas naturezas, acabam, infelizmente, por germinar.
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.